1 de março de 2018

SUBINDO NA VIDA !



 - Tais Luso
Cá estão eles, os nossos novos riquinhos, mais parecem vulcões adormecidos que após longos anos acordam e fazem grande estardalhaço nas mídias do país!
É aquela gente que ascende de uma classe social para outra e, apesar de ser muito difícil lidar com esse tipo de coisa, é muito hilário. Não fica fora de cogitação uns amigos ou parentes vestirem esse novo modelito social, de emergentes. Contudo, é divertido vê-los pipocando por aí, aparecendo aqui e acolá. 
É muito engraçado quando certas coisas não vem de berço, falta o tal requinte que o dinheiro não compra. Mas eles adoram brincar de realeza! 
Mas o aprendizado leva tempo. Num jantar cheio de salamaleques tais pessoas são  capazes de beberem a lavanda que serve para lavar os dedinhos… Mas com o tempo, acabam dominando bem as regras, é aprendizado.
As novas mulheres pegam um estilo próprio, todas com a mesma obsessão de voarem para o exterior atrás de grifes Prada, Louis Vitton, Gucci ou Chanel e outras. Lá estarão elas, doidonas, rodopiando a rica bolsinha de alça curta. Alça curta é chique, mas um saco a tal alcinha no século 21!  E que grana!!
A empregada também sobe de status, vira secretária, quase uma executiva. Os cães de estimação  ficam afrescalhados, viram bebês com lacinhos, colar de strass, roupinhas e sapatinhos. Viram nenê de colo. Sim, todos eles são de pequenino porte para andarem no colo da mamãe! E os coitadinhos ficam meio afetados, iguais aos donos. Não dá para encostar a mão... o nenê morde! Por pouco não perdi um dedo. E foi difícil manter o equilíbrio diante da ternura da mulher:
Não morde a moça, Belinha!
Lembro de uma novata, daqui do Sul, que subiu na vida e inventou de falar com sotaque carioca para dizer que estava chegando de fora, de longe... da China! Chiava feito louca, mas longe da carioca da gema. Mas para meu gosto andou muito pertinho, pois o Rio de Janeiro fica aqui, a duas horas de avião. Acho que não se deu conta. Dinheiro não compra conhecimento.
Por outro lado o maridão virou enólogo. Começou a colocar suas manguinhas de fora, com ar professoral ensinava a importância da rolha, da safra, da uva, da vinícola, se é vinho velho ou novinho, se frutado ou amadeirado; se encorpado ou leve. E aí seguiu a vida comprando belos carros e o top dos Smatphones e relógios. Eles não são tão criativos como as mulheres no quesito aparentar. São excelentes em negócios, mas continuam de pantufas. O negócio deles é restaurantes e comida na barriga. E barriga!
Por hoje fico por aqui, confesso que cansei só de contar...


_______________________________






55 comentários:

  1. Difícil tolerar "quem nunca comeu melado"... não é mesmo, Tais? Caem no ridículo e sequer desconfiam... Manter distância é o meu lema!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Não admira que tenhas cansado, pois essa gente cansa mesmo. Não tenho nada contra quem trabalha e consegue " subir na vida " e conheço algumas pessoas que o fizeram, com muita honestidade e trabalho, pessoas que sempre admirei e continuo a orgulhar-me de fazerem parte da minha lista de amigo. O que não suporto são as que subiram na vida e que, pelo facto de terem mais dinheiro se acham melhores que os outros e passam a desprezar aqueles que faziam parte do seu circulo de amigos, mas que agora já não servem para conviverem ; conheço dos dois casos, Tais e o que faço com aquelas que, de repente,se esqueceram que brincaram comigo na aldeia onde nasci e passam de narizinho empinado como se nunca me tivessem conhecido? Simplesmente ignoro e, se, por acaso alguma vez, por obra do Espirito Santo, resolvem dizer-me " Olá " sou eu que simplesmente sigo o meu caminho, fazendo de conta que não ouvi. Dou muito, muito valor à simplicidade e não há dinheiro nenhum que nos dê o direito de nos acharmos acima dos outros Essa é a caracteristica que mais aprecio nas pessoas Tais e, como acontece contigo, esses novos ricos " cansam a minha beleza " E como pensar neles até me tira o sono, o melhor é acabar por aqui e ir dormir, não achas? Beijinhos e boa noite
    Emília

    ResponderExcluir
  3. Mejor alejarse de la fatuidad...
    Interesante presentación de una realidad social
    Abrazo Tais

    ResponderExcluir
  4. A simplicidade é uma grande qualidade.
    O que descreve é pura parolice mascarada de snobismo.
    Beijinhos, bfds

    ResponderExcluir
  5. rsssssssss...Adorei te ler e parecia ver certas figurinhas que se acham... Bela e fiel descrição delas... ADOREI! Bem divertido! Lembrei de uma criatura que muitos anos atrás , deveria ser a primeira viagem in ternacional e queria abrir a janela...Depois pegou o guardanapo quente( naquela época ofereciam pra lavar mãos e rosto) e ao ser servido , o homem colocou na boca...pensou ser tapioca... Parece brincadeira, mas a mais pura verdade! AFFF!! beijos, chica

    ResponderExcluir
  6. Uma crónica escrita com o humor que o tema merece, Tais. Realmente o dinheiro não compra nem educação nem conhecimento nem maneiras...
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Estamos na era dos novos ricos. E existem tantos por aí que tendo alguma coisa, têm tudo, menos sensibilidade humana.
    .
    * Soneto escrito no escuro ... em versos de luz sombria *
    .
    Deixo um abraço amigo

    ResponderExcluir
  8. Já ouvi falar dos(as) escaladores(as) sociais e até conheço uma. Prima da minha mulher, casou-se com um ex reitor da Universidade Federal, cidadão vindo de uma família tradicional e endinheirada de gerações. Ela ascendeu e tornou-se "chique", você não imagina o quanto. Fomos numa recepção na casa dela onde, como convidados, havia um ex governador, um reitor, dois pró reitores e alguns figuras do jet set florianopolitano. O auge da festa foi quando ela serviu vinho de caixinha de papelão. Ninguém tomou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cruzes, essa está ótima, vinho em caixinha de papelão... não sabia que existia isso.

      Excluir
    2. A caixinha de papelão substitui o garrafão. Parece caixinha de leite, só que um pouco maior.

      Excluir
  9. Muito bom!!


    Beijos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  10. O tema é bem pertinente!
    Nascer e crescer no berço da simplicidade e bons valores ... é que vivem a grandeza da vida! bj

    ResponderExcluir
  11. Querida Taís, uma crônica divertida com um tema muito pertinente. Tem muito ricos tomando o melhor vinho com dinheiro sujo. Valeu te ler querida. Tem postagem nova com a continuação do incentivo aos alunos escritores. Abraços

    ResponderExcluir
  12. Taís,só de olhar você já sabe se a pessoa vem de família com poder aquisitivo em que possamos chamá-los de ricos.
    Muitos enriquecem,mas continuam a comportarem-se como pobres.
    Simplesmente ridículos.
    Amei o texto.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  13. Talvez tão cedo não se apague as "verdades" deste belo texto, Taís.
    Sem régua e compasso você mediu direitinho a pulsação da pele dessa nova turma. Se, por um lado, o "negócio deles é restaurantes e comida na barriga", aqui, na sua crônica, não há adiposidade, cada palavra foi esquadrinhada para ficar bem na fita dos novo ricos e tivéssemos um retrato bem acabado deles. Ainda bem que perceber a respiração dos vinhos só para os que são verdadeiramente iniciados. Mas eu chego lá, há tempo rss
    Um beijo, e bom final de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia-se "talvez não se apaguem as "verdades" deste belo texto". Para descobrir o erro, basta reler o texto, rss!

      Excluir
  14. Cansada, mas feliz! não é. Tais?

    uma delícia seu texto e o seu desembaraçado a zurzir essa gente que entope todos os espaços de sociabilidade.

    e não dá para os ignorar - gritam, gesticulam, exibem-se... e desgraçado de quem tem que os aturar.

    deliciosa sua verve, amiga

    beijo

    ResponderExcluir
  15. Realmente Tais conseguiu muito bem definir certas pessoas que as há também por cá- Dizemos por vezes: "faltou o chá em criança" ou "falta de berço"

    ResponderExcluir
  16. Amiga/Escritora, Taís Luso, boa noite !
    Perfeitamente compreensível o fenômeno que
    acabas de abordar.
    Só que agonizante, para os protagonistas,
    e um suplício social, para os que, com eles,
    convivem. Parabéns, Vizinha, pelo belo texto.
    Um feliz final de semana e um fraterno abraço.
    Sinval.



    ResponderExcluir
  17. Como dices no todo se adquiere con dinero, buena crónica, un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  18. hello, very interesting blog :)
    I'm a new follower, can you follow mine? follow 4 follow?
    https://amoriemeraviglie.blogspot.it/

    ResponderExcluir
  19. Uma sátira muito bem conseguida Tais. Adorei ler.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  20. Uma cronica muito bem humorada. Gostei muito de percorrer entre estes personagens. Bom final de semana, bjs

    ResponderExcluir
  21. A Tais escreve muito bem ! e esta crónica sobre os novos ricos, está muito engraçada :) efetivamente a simplicidade e a humildade ficaram de fora !
    beijinhos amiga, feliz fim de semana!
    Angela

    ResponderExcluir
  22. É Tais vejo muito estes tipos por aqui, são pessoas fora da realidade, nem sempre são os chamados nouveaux-riches, apenas fingem ser, são o tipo que fazem de tudo para parecerem ricos. Agora andam com seu cachorrinho dentro de um carrinho de bebe, pelos shoppings, ou mercados!!
    Imagine o país nesta crise e este exibicionismo idiota.
    E nós que temos consciência e noção do que é a realidade da vida, nos os justos pagamos pelos pecadores.
    Amei a crônica é realista e divertida, parabéns amiga.
    beijinhos Léah

    ResponderExcluir
  23. Olá, Tais!
    Amiga, que crónica interessante, pertinente e hilariante!
    Não te canses nunca de nos contar história sobre novos-ricos ignorantes e arrogantes que ostentam “mas não encantam”. Mentes distorcidas que gastam milhões em artigos de luxo e nunca lerem um livro - nem sequer o de “boas maneiras”. Dinheiro para eles é apenas para ostentar: apaparicam o cãozinho, mas ignoram o pedinte da esquina; visitam Londres, Madrid, Paris, mas ignoram o familiar que vive próximo - é pobre, há que esquecer.
    Lamentavelmente, aqui também “desfilam” pavões endinheirados que ignoram que educação é diferente da instrução e vivem fingindo o que não são, como se a vida fosse um palco. Vivem de excessos: tudo e caro!
    Pobres coitados, um dia tombam soterrados por um muro de ilusões.
    Odeio racistas, xenófobos e… novos-ricos ignorantes.
    Beijo e bom domingo!

    ResponderExcluir
  24. No nosso país vemos ao longo do tempo falar nos novos ricos com a comum falta de preparo intelectual e para a vida social reservadas aos ricos, na qual passaram a integrar. Há sempre descaso com eles, tanto em relação aos homens como às mulheres. Chegam eles ao topo da pirâmide e portam-se como se estivessem na base, entre os menos favorecidos, razão pela qual tornam-se aduladores dos que compõem esse grupo (estes se comportam com naturalidade pelo simples fato de terem nascido ricos), diferentes, pois, dos que nasceram pobres e que ficaram ricos com muito suor. Os novos ricos são um prato cheio para os humoristas, chargistas etc. Está todo esse universo muito claro e realista nesta tua excelente crônica. Gostei muito. Parabéns.
    Um beijinho daqui do escritório.
    Pedro

    ResponderExcluir
  25. Para esas personas que su poder económico y su nivel cultural es otro les denominamos "nuevos ricos" y como dices se les ve de lejos.
    Bien se les puede aplicar el dicho que dice "El habito no hace al monje" o el otro "Que aunque la mona se vista de seda mona se queda".

    Saludos.

    ResponderExcluir
  26. Olá Tais, adorei a sua crônica! Estamos sempre vendo " novos ricos" na mídia pagando com gafes imperdoáveis e tornando-se ridículos. Parabéns pelo belo texto!!!Bjs

    ResponderExcluir
  27. Felizmente minha amiga por cá essas manifestações de novo-riquismo está a acabar e espero que não volte outra vez essa parolice.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  28. Ah, o tal requinte que o dinheiro não compra! Como faz falta nos dias que correm! Tudo parece tão mais acessível a todos, inclusive a escrita, pois de repente todos se tornaram escritores! Infelizmente, poucos com o seu talento. Gostei muito de descobri-la! Abraço!

    ResponderExcluir
  29. Oi Taís
    Essa tão sonhada finesse que dinheiro nenhum compra. O pior de tudo isso são vexames fenomenais a que se submetem. Antes de sair por aí ostentando o glamour do dinheiro seria sábio e prudente se adquirissem conhecimento
    Uma crônica espetacular minha amiga
    Beijos e uma feliz semana

    ResponderExcluir
  30. Querida Taís,

    Você é uma exímia cronista, sabemos o quanto é
    dificílimo criar cenas com humor, uma arte para os
    talentosos com a dosagem certa e que espelhe também
    uma alma alto astral, pois quem tem senso de humor
    cristaliza numa abordagem perfeita o humor na literatura,
    como você faz brilhantemente.
    Para mim foi uma terapia do riso agora...rss
    Adorei, grata por este momento aqui!!!
    Perfeita a escolha da obra do Juarez Machado.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  31. Admiro quem consegue " subir na vida " mas logo que desmentam as suas descendência acho as pessoas lamentosas.
    boa semana

    ResponderExcluir
  32. A verdadeira riqueza das pessoas não está na parte material.
    Quando me deparo com um novo rico meio analfabeto que quer parecer culto, eu sou mesmo mauzinho... Puxo a conversa para terrenos movediços onde se afundam ao fim de 1 minuto. E é divertido vê-los a esbracejar...
    Boa semana, amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  33. Cara amiga Tais, sempre construindo belas cronicas, tanto na forma quanto ao conteúdo. Cá pra nós, esses emergentes parecem almas vazias. Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  34. Boa tarde, Taís
    Uma crônica divertida e tão real.
    Observastes bem.
    É bem assim mesmo...rs
    Tenha uma ótima semana.
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  35. Pois é, querida amiga, pedigree, ou se tem de nascença, ou esquece! Não há dinheiro que compre.
    Achei muito engraçada a sua crónica. Sorri do princípio ao fim.
    Penso que todos nós, uns mais que outros, conhecemos alguns novos-ricos e suas façanhas mais ou menos hilariantes.
    Eu tive (ainda tenho) duas “amigas” que vieram do nada e ascenderam uns quantos níveis “sociais”, à força do dinheiro ganho pelos respectivos maridos. Uma característica comum a ambas – encherem as casas de “obras de arte”. E quando alguém ia lá a casa (aconteceu comigo) mostravam os seus tesouros, bem orgulhosas, referindo, com ênfase, o dinheirão que tinham pago por eles.
    Em contrapartida tenho um casal amigo que tem dinheiro até dizer chega, mas é mesmo muito dinheiro, do género de poderem comprar dois apartamentos a pronto (!), que são as pessoas mais simples que possa imaginar. Também eram pessoas de fracas posses (como aqui se diz), ganharam muito dinheiro mas não se transformaram em novos-ricos. Sabe qual é a diferença? É que estes últimos eram pessoas educadas e instruídas, antes de ficarem ricas…
    E pronto, querida, com esta me vou, que já se vai fazendo tarde… :)

    Votos de uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  36. jajajajajaja muy cierto: Es muy divertido cuando ciertas cosas no vienen de cuna, falta el refinamiento que el dinero no puede comprar. Aunque "la mona vestida de seda sigue siendo mona". Siempre se les nota la hilacha, siempre y más, cuando lo único que hacen es restregar lo ricos que son y eso es muy vulgar.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  37. In Italian say LA CLASSE NON E' ACQUA...it means THE ELEGANCE IS NOT WATER....:)

    ResponderExcluir
  38. Un divertido retrato, Tais.

    Pienso que cualquier ascenso en la escala social, ya sea cultural o económica, coloca a la persona en una posición delicada. Por ello es un error querer dárselas de entendido en lo que acabamos de conocer, lo mejor ante la duda es la sinceridad y la naturalidad.
    En realidad, como nadie sabe todo de todo, cualquier persona por sabia que sea es candidata a verse desplazada en un ambiente ajeno al suyo. El hombre/mujer cúbico no existe. Un beso.

    ResponderExcluir
  39. Olá Taís! Diante de tantos comentários com tão diversas apreciações, fica difícil comentar a tua bela, verdadeira e interessante crônica, tão condizente com a nossa realidade atual.

    Beijos e muita paz, saúde e felicidades para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  40. Hay personas con mucha cultura y que no tienen un nivel adquisitivo demasiado alto y hay personas que por aras del destino han sido afortunadas con la suerte, subiendo de golpe y porrazo a un poder adquisitivo bastante elevado.

    Entre los dos grupos, me quedo con el primero.

    Besos

    ResponderExcluir
  41. E eu confesso que gostei imenso de ler.
    Você tem um jeito sui-generis de escrever suas crónicas que muito aprecio.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  42. Querida Taís, é caso para dizer que, se não fosse cómico seria trágico, este estupendo retrato que fez de um novo extracto social, que ascendeu - sabe-se lá à custa de quanta trafulhice - à categoria de novos ricos, ambicionando aparentar um status que não possuem, de todo.
    Felizmente ou infelizmente...há bens que o dinheiro não compra: humildade, honestidade, humanidade, solidariedade e...bom senso! :)
    Já não falo "no berço", porque existem pessoas que nasceram no seio de famílias humildes e que, subindo na vida, a pulso, sabem olhar em redor sem esquecer as suas origens, ao invés de olharem apenas para o próprio umbigo.

    Parabéns,amiga, pela excelente crítica social, que a cansou e nos encantou.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  43. Esta é do melhor...Mas o pior...é que é tudo assim mesmo.
    Também...tudo lhe bate à porta, pois não vejo 'balela' nisso.
    Adorei....como sempre.
    Abraço

    ResponderExcluir
  44. Nada escapa ao teu clínico olhar. E ao teu sentido de humor.
    Adivinham-se os risos à socapa e a dificuldade de manter o equilíbrio.

    (8 de março) Que felizes sejam todos dias para a mulher e para o homem.

    Beijos, minha amiga.

    ResponderExcluir

  45. ❤ Boa tarde mulher linda! Parabéns pelo seu dia, nosso dia❤ Não somente hoje, mas todos os dias, que sejamos reconhecidas e amadas. Um dia só é pouco pois és a mais elevada das criaturas, o mais sublime dos ideais, o coração que fabrica amor Todo dia é dia da mulher! Que nossos direitos sejam cobrados e que a sociedade seja justa, sem descriminação.
    Feliz dia Internacional da mulher, extensivo a todas as mulheres da sua família!
    Abraços da amiga Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  46. En Chile, amiga Tais, el fenómeno se conoce como "los nuevos ricos".Veo que es una situación muy internacional.

    Un beso austral.

    ResponderExcluir
  47. É de mestre, esta tua crónica!!!
    Aplausos!!!
    Bjos, Tais

    ResponderExcluir
  48. Bom dia, querida Tais,
    é mesmo, minha querida, a gente cansa só de ver estas miúdas pessoas.O pior é que número está aumentando,às vezes penso ou me questiono, será que elas não percebem que são ridículas? Quase rimos delas para elas mesmas.E, estão em toda parte, no mundo todo vão semeando a ignorância baseada em seu "fino" dinheiro, e penso que a consciência não virá para eles. Belíssima e inteligente como sempre, a sua crônica. Beijos!

    ResponderExcluir
  49. Rsrsrssrsrsr!... Adorei sua crónica!
    Descreveu na perfeição, esse género de pessoa... deslumbrada... e que vive dando mancada... por tudo e por nada... pois de facto... cultura... não se compra com um estalar de dedos... e não vem de nenhuma prateleira... com etiqueta pendurada...
    Hum!... Versace... é a grife, que melhor combina, com este novo riquismo... aqui tão bem descrito, Tais!... E a avaliar pela colecção, Primavera/Verão deste ano... assenta que nem luva... a pessoas assim... exuberantes... e ansiosas por não passar despercebidas... jamais... :-D
    Beijinho! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  50. Que legal Taís!
    Já disse que gosto deste seu olhar critico sobre o nosso cotidiano e dele extrair as pérolas, como se neste estivessem as cronicas prontas para serem lapidadas e divulgadas. Um retrato fidedigno pintado por você sobre este tipo tão em evidencia no Brasil e confesso, que são uma chatura.Mas sua critica exorcizou bem eles pelos corredores atapetados sem o minimo de glamour.
    Boa Taís, ficou uma beleza esta cronica.
    Carinhoso abraço amiga.
    Beijo de paz

    ResponderExcluir
  51. Boa tarde Tais.
    Educação não se compra se adquire. Admiro os quais pelos seus esforços, consegue um poder aquisitivo melhor, sem perder a humildade. Viver em sociedade, principalmente com muitos tipos de pessoas sem o minimo de bom senso é realmente um fardo. Eu particularmente dou muito valor a simplicidade e as belas coisas da vida que o dinheiro não pode comprar. O pior ainda são as pessoas que se acham superiores, e quem se tratadas como tão pelo seu saldo bancário, dessas corro longe, só sabem criticar e falar da vida dos outros rsrs. Como sempre uma bela cronica. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  52. Los nuevos ricos son unos especímenes muy divertidos...
    Beijos e abraços, Taís.

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso