1 de dezembro de 2018

CRÍTICAS?




- por Tais Luso

Se existe alguma coisa não bem-vinda no meio em que vivemos, são os críticos de plantão. Como gostam de baixar o sarrafo! Possuem uma crítica ferina, lançam suas verdades e muitas vezes sem embasamento algum. Esses, se acham no direito de falarem  tudo o que pensam, pouco importando o constrangimento e sacrifício dos outros. Ver a arrogância de perto é muito irritante. Não falo em conselho de amigo, isso é outra coisa. Isso eu até peço.
Esta desgraça de criticar tudo o que os outros constroem em nome de uma crítica 'construtiva', é lamentável. Deve ser maravilhoso colocar uma criatura pra baixo do tapete e pisar em cima para que ela se ‘reinvente’!  Oxalá!! Benzadeus.
Pois bem... Postei, no meu Blog Das Artes, a segunda parte do meu texto sobre Portinari, os momentos finais de sua vida.  Mostro a amargura de um homem, de um gênio diante das críticas; a tristeza de um homem que tinha amor por pintar sua pátria e sua gente. Não incomodava ninguém com o seu trabalho (ou incomodava?). Era admirado e querido, mas acabou entristecido. A crítica chamada de 'profissional' e os novatos que trilharam o caminho aberto por Portinari diziam que o artista estaria ultrapassado, era a 'hora' do abstracionismo. Muitos queriam que ele mudasse seu estilo, sua pintura. E não mudou. Mas ficou amargurado.
Muito difícil conviver com gente que se coça para atrapalhar a vida dos outros.  Vão chegando de mansinho para anarquizar o meio de campo. É estressante. Esses críticos desmontam - numa bicada - o que muitas pessoas levam anos para construírem.
Quantos relacionamentos não se acabam; quantos empregos não se perdem; quantas amizades não se desfazem; quantos relacionamentos familiares vão pro brejo; quantos dos nossos sonhos não alçam voo por críticas sem fundamento  desses reformadores do mundo?  Críticos, oh críticos...
Peguem no batente, gente, pintem uma obra de arte digna de ficar na história; escrevam um poema de primeira linha, um romance digno de ser lido, um conto, uma crônica; naveguem com Amyr Klink numa noite de tempestade; subam o Everest num dia de inverno; escrevam-se na Fórmula Indy... E vão! Larguem do pé dos outros.
O mundo não precisa de críticos; precisa é de mais tolerância, mais solidariedade, mais amor. E está passando da hora desse  mundo viver em paz. E poder sonhar.

Tema de Lara / Fernando Lopez
Maravilha!

______________________________



49 comentários:

  1. Boa noite, querida amiga Taís!
    Vou me silenciar para resumir a sua crônica no que mais importou para mim:

    "Esses críticos desmontam - numa bicada - o que muitas pessoas levam anos para construírem."

    Per-fei-to!
    Permite-me, amiga, um acréscimo, e perdoe-me a ousadia imensa:
    por pura maldade e despeito.
    Mas, o tempo mostra a verdade de todos nós. Não há mal que dure para sempre, querida.
    O mentiroso é desmentido com o passar do tempo, ele desiste de critivar a quem vive pelo Amor, como você bem disse. O tempo e o Tempo revela mistérios da maldade humana.
    Lindo de ler essa sua crônica no dia de hoje pois estoui na paz e nela vou ficar. Nada como a consciência reta, meu Deus!
    Parabéns, amiga por abordar um tema relevante neste mês onde a caridade material é muito ressaltada e se esquecem esse lado que você abordou, tão bem fundamentada.
    Tenha a alebria das flores recém regadas na Primavera.
    Bjm carinhoso e e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *criticar
      *Revelam
      *estou
      *alegria

      SAmiga, obrigada pel lindo comentário no Meu Mundo Azul. Ontem estive digitando no celular e saem erros, desculpe-me, o cansaço também foi grande na saída com família. Bjm carinhoso

      Excluir
  2. Muito boa noite amiga Taís!
    Mas que maravilhoso seu texto!
    Lindo, Lindo e verdadeiro do princípio ao fim.
    Amei minha querida... na realidade, e para nossa infelicidade(...) é o mundo em que vivemos, aqui passa-se exactamente a mesma coisa; arrasam as pessoas com comentários sem sentido algum! Críticos, Comunicação Social etc. enfim, para não falar até de muitos que se dizem amigos, de quem tanto atacam. Esta é a realidade dos novos tempos.
    Deixo-lhe um beijo com meu carinho de paz e bem! Votos de um final de semana abençoado, junto dos seus mais queridos.������

    ResponderExcluir
  3. Pasa en muchos aspectos, amiga Tais. A veces vemos una película que consideramos excelente y luego leemos críticas espantosas contra ella, o una serie de TV que nos gusta, pero la "crítica ESPECIALIZADA" la hace pedazos.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  4. Taís, sempre houve, há e haverá os críticos de plantão ,aqueles que ficam apenas ESPERANDO que algo seja feito e então iniciam as críticas, o ato de botar pra baixo... Mas de bom, nada FAZEM!!

    Um vírus que se instalou na sociedade! Pena!

    bjs, ótimo dezembro! chica

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente... sempre foi assim, desde o começo dos tempos, Tais... tudo o que é novidade... mexe com os demais... e foi assim, que até Cristo acabou espetado num cepo...
    A crítica é inevitável... mas perante ela, há sempre dois caminhos... três... no máximo... aceitamo-la e realmente mudamos, se for construtiva, e nos mostrar benefício... deixamo-nos quebrar por ela... ou ignoramo-la, e persistimos, no que nos parece ser o certo, mas que nos garanta paz de espírito...
    Um mundo com mais humanismo, tolerância e paz... talvez seja por isso, que tenham chegado a Marte... e andem à procura de tal, debaixo das pedras, por lá... porque aqui mesmo, neste terceiro calhau em torno do sol... quase todo o mundo, continua visando a jugular do próximo... enfim... teremos sido um erro da Criação... inventou-se a comunicação... mas a humanidade, continua a anos-luz do entendimento... em qualquer área...
    E enquanto isso... criticar... continua a ser humano... e desumano também... cabendo a cada um, no seu universo pessoal, aprender da forma mais saudável possível, para si mesmo, a lidar e a encaixar a crítica... e a ter uma mente aberta, em todas as direcções... pois neste mundo... por enquanto... nem depois de mortos, nos livramos de críticas...
    No fundo... creio que o poder mais corrosivo, para cada um... não virá da crítica alheia... mas da luta interior perante a mesma, no seu próprio ego, que tal desencadeia... Eckart Tolle... um autor que aborda imenso, estas problemáticas nos seus livros, na actualidade... a luta constante, entre o ego... e o agora...
    Adorei a crónica, Tais, que nos oferece mesmo um mundo, sobre o qual reflectir!...
    Beijinho! Bom final de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, minha Amiga Taís! Estou com você nesta reflexão que faz sobre os críticos que tanta vez atiram lama para cima das pessoas. E digo consigo: "O mundo não precisa de críticos; precisa é de mais tolerância, mais solidariedade, mais amor"
    Um bom domingo.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Tais,
    Eu tenho refletido nessa direção que seu
    texto aponta.
    Tenho acompanhado via twitter a irresponsabilidade
    em 140 caracteres.
    Adorei ler sua reflexão, me fez bem,
    vou no outro espaço ler sobre o artista
    que cita e sua carreira.
    Bjins
    CatiahoAlc. do Blog Espelhando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais,
      voltei para convida-la
      para conhecer meu blog
      de frases
      https://frasesemreflexos.blogspot.com/

      Excluir
  8. Abomináveis esses críticos de plantão... Sem competência para 'fazer', dedicam-se a 'invejar desprezando' as ações daqueles que investem no 'fazer'. Melhor atitude é ignorá-los.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Como sempre apreciei muito a sua crónica. Toca perfeitamente no fulcro deste "flagelo" com que muito vivemos.
    Muito obrigada Taís pela simpatia com que acompanha o meu blog. Nem calcula como muitas vezes me ajuda em momentos dificeis... Boa semana e beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Diz-se que em cada crítico literário existe um escritor frustrado
    estou tentado a dar razão ao "dito" ...

    e o mesmo se passará no domínio das artes plásticas, não sei.

    em qualquer caso, reconheço que, por vezes, me "foge a chinela" para a ironia e o sarcasmo e para um certo gozo em demolir narizes de cera...

    excelente crónica, Tais
    e oportuníssima!

    beijo, minha amiga.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom para reflectir! Criticar é muito melhor que fazer melhor. Adorei!

    Hoje : Dança...leviandade minha...
    Bjos
    Votos de um óptimo final de Domingo.


    ResponderExcluir
  12. Uma crónica excelente para se reflectir!!!bj

    ResponderExcluir
  13. Adoro Tema de Lara que bom ouvir aqui depois deste banho crítico à critica gratuita dos plantonistas, que e acham deuses e por vezes grávidos de um reizinho. Interessante esta colocação sobre o dias finais de Portinari. Não se interessar pelo outro e sobre seu chão é típico destes plantonistas. Gente que não faz e criticam o que um faz e que muitos poderiam fazer e não fez.
    Bela cronica Taís.
    Uma semana maravilhosa para você e Pedro e que Dezembro seja um mês leve e positivo no fechamento do ano, para vocês e filhos.
    Meu carinhoso abraço.
    Beijo amiga

    ResponderExcluir
  14. Um texto perfeito, pleno em verdade! Merece aplausos de pé, parabéns!
    Beijos e feliz semana!

    ResponderExcluir
  15. E muitos desses críticos não percebem absolutamente nada daquilo que têm a ousadia de avaliar.
    Beijo, boa semana

    ResponderExcluir
  16. Infelizmente essas palavras tolerância, solidariedade, amor perdem a sua força neste mundo frio. Hoje, a palavra corrente é EU só EU e nada mais que EU.
    beijos

    ResponderExcluir
  17. La crítica destructiva puede hundir a una persona. No tenemos los mismos gustos, lo que le gusta a uno no es del agrado de otro. Hay que respetar el gusto de los demás aunque no coincida con los nuestros.

    Besos

    ResponderExcluir
  18. Forte aplauso ao TEMA DE LARA. E a esta excelente reflexão. E que seja bem-vindo quem vier por bem.

    Beijos, minha amiga Taís.

    ResponderExcluir
  19. Crítico, melhor não sê-lo! Diria Vinicius plagiando o seu próprio poema. Digamos que o crítico é um mal necessário, pois muitas vezes contribui ao trazer uma chama que ajuda o leitor a penetrar uma obra, abrindo picadas, veredas. Sei que nem sempre é assim. Há muitos que se comprazem em diminuir o valor do trabalho do outro sem nunca ter-se aproximado de algo semelhante. Ainda acho que o melhor é tê-los e nós que saibamos depurá-los em função do nosso conhecimento, das nossas leituras e do próprio olhar. É o que mais importa: o nosso olhar.
    Beijos, amiga!

    ResponderExcluir
  20. Oi Tais

    Tem um crítico que não vou falar o nome que me enoja. Criticar sim para construir melhor, com educação, mas esse crítico político só ele sabe tudo.
    Será que da boca dele só sai desconstrução, se ninguém é bom pra ele, então, pergunto: por que tanta raiva de alguém que nem se conhece pessoalmente.
    Gostei da sua postagem, muito pertinente para o momento brasileiro.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  21. Gostei da partilha
    E criticam muitas vezes sem fundamento, sem informação e sem inteligência...
    Houvesse mais humanidade e empatia no Mundo...

    (Já há um novo capítulo de "Um Oceano entre nós" no blogue. Espero que goste. Está quase no fim!)

    Beijinho

    ResponderExcluir
  22. He dejado de fondo la bellísima música de López para enviarte estas líneas, después de saber quién fue Portinari, ya que según entiendo, los críticos lo silenciaron porque no estaba de moda. Eso nos dice que él no vivía la vida de los otros y pintaba lo que veía por sí mismo. Ahí estaba su grandeza y seguro que hoy muchos, igual que haces tú, lo llevan en su propio archivo.
    A la obra de Gaudí casi ningún contemporáneo le dedicó un elogio, sí insultos y vejaciones, entre otros, George Orwell o Paul Morand, que escribió acerca del templo: “Horroroso. Es la obra de un loco”.

    Pero el tiempo es vengativo e implacable y hoy 5 mill, de visitantes cruzan cada año los mapas para visitar en Barcelona las obras del arquitecto, mientras una pregunta salta entre risas: ¿Quién lee hoy las obras de Paul Morand?
    Besos, Tais

    ResponderExcluir
  23. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    De pleno acordo, com as tuas colocações.
    Parabéns pelo belo texto !
    Uma ótima semana e um fraterno abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  24. Olá amiga Tais,
    tao certo ficou o seu ponto de vista! é realmente um flagelo esses profissionais da opinião que tudo sabem, tudo criticam, essencialmente o que os outros fazem. seja ele azul ou amarelo, e que tudo rebaixam,
    realmente não se aguentam mais !!!
    e concordo : vão dar uma volta, peguem num livro, pintem um quadro, subam o Evereste, contem cordeiros, colham maças….
    aqui vai a minha participação:)
    abracinhos
    Angela

    ResponderExcluir
  25. Olá de novo, Taís

    Convido-a a ler o novo Capítulo de Um Oceano entre nós - IV. Espero que goste.

    Beijinho grande

    ResponderExcluir
  26. Muito bom este post. Meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Minha mui querida amiga Tais, ainda hoje estava por aqui, fui no Das Artes...e achei tão bom este post, irretocável, como são teus escritos que gosto muito. A crítica é um apontar o dedo para alguém, esquecendo que existem três dedos apontando de volta, ao crítico. Quase sinto a dor de Portinari. Estou bem, tomando os remedinhos e com terapia em andamento, por fora estou uma bela viola, por dentro, despejo tudo no meu blog, na esperança de me desafogar, de exorcizar meus demônios, minhas dores e angustias, que parecem se fortalecer a cada dia em que fico mais fraco, mais triste. É tão animador ler por aqui, é tão carinhosa e amigável tua visita e leitura no meu bloguinho, que me trás esperança, uma vontade de viver bem, saudável e alegre. Tenho sorte de ter uma amiga virtual/real tão amiga, como tu querida Tais.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  28. Muitas vezes os críticos vivem azedos porque não conseguem ser o que desejavam e despejam nos outros o seu azedume. Quando eu era jovem, como gostava muito de escrever e algumas pessoas diziam que o fazia bem, enviei alguns poemas para um critico literário de renome no Portugal de então.
    O homem disse o pior dos meus poemas, disse-me que o tempo que perdia a escrever aprendesse a cerzir meias que ia ser bem melhor para o meu futuro. Exatamente com estas palavras. E disse muito mais coisas que me deixaram de rasto e me levaram a deixar de escrever por mais de 15 anos. Uns 20 anos mais tarde, realizaram-se uns jogos florais, e a minha irmã sem eu saber mandou um desses poemas, que tinham sido tão maltratados pelo critico. E ganhou o primeiro lugar. Hoje está numa Antologia de Poesia da Chiado Editora. Aliás todos os que ele maltratou estão publicados em várias antologias da Chiado Editora e da Múltiplas escolhas.
    Mas o trauma não foi ultrapassado, pois muito raramente eu consigo escrever um poema, os que vou publicando já existiam quase todos nessa época.
    Abraço

    ResponderExcluir
  29. E aproveitando que fui espreitar as novidades, no espaço do Pedro... passo também por aqui, aproveitando para deixar um beijinho e votos de continuação de uma excelente semana...
    Ana

    ResponderExcluir
  30. Um texto muito importante para uma boa reflexão dos dias atuais.
    Gostei do que li Taís.
    Bj

    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

    ResponderExcluir
  31. Criticar é talvez o "desporto" favorito da humanidade. Porque é muito fácil ver o cisco no olho do outro e ainda mais fácil do que construir alguma coisa digna de registo.
    Excelente texto, gostei muito.
    Taís, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  32. .......,mas muitas vezes, faz falta a mão pesada (bem aplicada), pois há gente que só conhece essa forma de trato. Em qualquer das formas, é indispensável
    sonhar.....Há sempre a 'ilusão' de que tudo vai ao sítio...
    Beijo

    ResponderExcluir
  33. A crítica no processo construtivo, analítico e
    transformador leva à evolução.
    Porém, sabemos que até os críticos especialistas lhes
    faltam esta ética que a tua excelente crônica aborda,
    parece que o prazer mórbido de destruir um caminho de
    um artista talentoso é a sua motivação. E tem também,
    aquelas pessoas disfarçadas de críticos, com alta
    dosagem de inveja e competição, a colocar gosto ruim,
    como se diz aqui, pessoas tipo "baratas", que por onde
    passam, colocam gosto ruim, a estragar o que é bom...rss

    Votos de um maravilhoso final de semana, querida amiga e
    nada de pessoas tipo "baratas" no teu caminho, viu?!..rss

    Beijos, Taís.

    ResponderExcluir
  34. Querida Taís
    Ele era um artista de primeira linha, humilde e sensível sentiu muito a
    maldade dessas pessoas infelizes, é uma questão de personalidade.
    Sempre pensei e penso que é bem assim: Quem não sabe fazer critica, eu costumo mandar a ou as pessoas que veem me criticar, essas que se julgam as sábias, mando-as 'capinar um lote' :)). E está claro que não me sinto ofendida, com essas criticas, já passou este tempo, estou muito feliz com o que consegui aprender e fazer e estou sempre pronta a aprender mais desde que me agrade esse saber...
    Não sei se alguém anda criticando-a, mas se for o caso, não de importância, pois o que não se come não faz mal a barriga, não gostam de suas maravilhosas cronicas, não leiam, vão catar o que fazer. Continue escrevendo você é uma ótima escritora, te amo e o que você escreve.
    mil beijinhos, muita inspiração e alegria.
    Léah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga querida, não, não é uma crônica particular, contra ataques alheios, eu escrevi de um modo geral direto aos críticos de plantão que atacam tudo e a todos. Não sou generosa com essa gente que não faz nada, mas que criticam a todos os que fazem ou tentam fazer alguma coisa que lhes dê satisfação, que fazem por amor. E lembrei do Portinari, o grande mestre, e como isso o entristeceu.
      Obrigada, querida amiga, também amo você, tenho um carinho muito especial por você, pela sua sensibilidade, pela sua belíssima pintura! Sou sua fã, você sabe disso.
      Beijinho!

      Excluir
  35. Minha querida amiga, li, reli e exultei de alegria: muito bom, A TAIS PARTIU A LOIÇA TODA!
    Bom seria que todos os “críticos da bicada” lessem esta tua crónica e começassem a respeitar o trabalho dos outros, a não invejar o trabalho dos outros, a deixar de “coçar” para não “atrapalhar”.
    Críticas construtivas eu aceito todas; críticas destrutivas eu deito no lixo. De imediato!
    Excelente crónica, lida ouvindo o intemporal "Tema de Lara". Valeu!
    Beijo.
    (Demorei, mas cheguei!!)

    ResponderExcluir
  36. Oi Taís,
    Fiquei sensibilizada com o seu comentário. Eu sou muito do que escrevo, filha adotiva e muito amada, mas desde pequena muito crítica. Essa postagem não tem nada da minha vida, pois fui criada como uma princesa e se sujasse os pés, ela trabalhava fora e eu ficava sozinha e juntava com as crianças e ia brincava,eu apanhava até desfalecer.
    Cobria a cabeça com as mãos para não afetar minha inteligência. Sofri muito.
    Mas venci e muita sorte no amor e trabalho(concursos),nunca perdi a simplicidade que guardava dentro de mim. Deus sabe o que faz.
    Adotei um bebê com 10 dias quase morto, ontem ele fez 36 anos, crioulo lindo, a loucura das mulheres...Com 2 Faculdades, uma Pública e outra particular(economista e contabilista, está na 2ª Pós e ano que vem fará doutorado na USP. Trabalha no SEBRAE.
    Um beijo no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  37. Um excelente tema, há pessoas que são críticas por excelência, além dos que as fazem profissionalmente. A crítica construtiva vem com um teor muito diferenciado,é transformadora, não derruba ninguém. Grata pelo fundo musical tão lindo. Bom final de semana. bjs

    ResponderExcluir
  38. well written article.
    have a great weekend

    ResponderExcluir
  39. Foi muito educada com estes críticos, querida amiga Taís. Eu os chamo de chatos, não exatamente assim, mas palavra que possa ser escrita aqui. Feliz Natal e carinhoso beijo.

    ResponderExcluir
  40. Bom dia,amiga Tais,
    arrasou como sempre, o"Tema de Lara" teve seu brilhantismo aqui.
    Quanto aos críticos de plantão ou falsos bajuladores, são pessoas terríveis que nem sabem qual é o seu papel no mundo.Vivem com os narizes empinados sobre seu falso pedestal da ignorância.Achei interessante este diálogo e sempre o uso:
    - O que você tem produzido, ultimamente?
    - Nada eu apenas critico para me sentir superior.
    As críticas na maioria das vezes ferem a quem elas são dirigidas, não há pessoas que sejam tão insensíveis que não sintam os danos das palavras que ferem a alma. Gostei muitíssimo da sua crônica. Tenham um domingo abençoado!

    ResponderExcluir
  41. Não era para comentar...
    Não estando integralmente de acordo, não queria atrapalhar a sua publicação e mensagem.
    Como professora, fui formada para uma contínua avaliação e crítica da aprendizagem que fazem parte intrínseca do processo educativo. Inclui a auto-avaliação e auto-crítica. Neste contexto, a crítica positiva tem um valor fundamental.
    Penso que também é importante na arte, pois pode constituir um ponto de alerta para o artista se situar e conhecer opiniões.

    A questão não são críticas, a questão é de aprender a pesquisar a idoneidade de quem critica, a diferenciar o comentário charlatanesco, de uma crítica séria.
    Por isto, estou de acordo com o comentário do JCSant Anna.
    Quanto ao comentário da Elvira, felizmente, hoje em dia, há pessoas melhores formadas em cargos semelhantes, mas ninguém está livre de traumas semelhantes.

    Quanto a Portinari, foi uma surpresa, pensava que tinha falecido intoxicado pelas tintas, quando preparava ativamente uma exposição para Barcelona, depois de várias grandes exposições internacionais.

    Dias de harmonia, serenidade e paz.
    Abraços, Amiga.
    ~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Majo,
      Falo, nessa crônica, de duas críticas, uma se tratando da crítica pura e simples, daquelas pessoas que gostam de desfazer, que rondam todos nós, a crítica que abate, que humilha, que desfaz. Esse, é um dos enfoques dessa crônica e não tenho nada a dizer o que motiva essa gente a agirem assim, pois não sou psicanalista.

      No que diz respeito à crítica profissional, principalmente à crítica literária, penso que o crítico literário pode ter alguma influência em meio aos escritores e poetas, mas tal influência nem sempre é positiva.
      Dentre muitos escritores consagrados, tenho lido que muitos deles dão pouca importância à atividade do crítico literário. De minha parte, confesso que alguns críticos literários foram de importância significativa para mim, como os estadunidenses Edmundo Wilson, Harold Bloom, o francês André Mourois, o italiano Benedetto Croce, além de críticos brasileiros, Cristão de Atayde, Afrânio Coutinho, Otto Maria Carpeaux, (austríaco naturalizado brasileiro), Wilson Martins, Ivan Junqueira e Massaud Moisés entre outros tantos que aqui tenho. Portanto, não desprezo os bons críticos literários, como esses que citei, mas penso que ‘são dispensáveis’ para que homens e mulheres de talento possam escrever grandes obras, pois, como disse, muitos críticos profissionais contribuem para que pessoas talentosas abandonem a arte, como quase aconteceu com a nossa famosa pintora Anitta Malfatti, muito criticada pelo então famoso escritor e crítico Monteiro Lobato. Felizmente ela resistiu aos seus ferozes ataques e venceu, sendo reconhecida pelos amantes da arte do Brasil, como do exterior. Portinari, foi vítima de críticos inescrupulosos, mas, a sua morte deu-se em consequência da intoxicação pelas tintas. Eu não falei que faleceu de outra coisa.

      Beijo, amiga.

      Excluir
    2. De acordo, Taís.
      Terno abraço.
      ~~~

      Excluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís