14 de novembro de 2007

DÁ PRA SER FELIZ ?


-por Taís Luso de Carvalho


Li num texto de um jornalista, que, ao abordar em suas crônicas temas relevantes, como a educação, a cultura, a exploração do trabalho infantil e a política no Brasil, sentiu que todos esses temas passam despercebidos por seus leitores. Disse ele ficar com a sensação de que seu texto não foi lido. Seu desespero pela suposta falta de leitores foi tanto que teve um surto e resolveu atacar os cachorros. Bem coisa de louco. Sua caixa postal eletrônica estourou. ‘Encontrei a formula do sucesso’- disse ele. Mas isso tudo é próprio de seu estilo irreverente. Gozação. Contou que, falar mal da cachorrada supera qualquer papo sobre futebol, e que atiçar os cachorreiros causa revolução.

Estou aqui, sentada em frente ao monitor, escutando ‘Soy Como Toda Mujer’, de Maria Martha Serra Lima - certas músicas me emocionam e me entristecem. Meu objetivo era desenrolar o assunto por outro ângulo, indo por outros caminhos, mas estou mudando de rumo. Talvez a música esteja me fazendo pensar mais profundamente; esteja me dando mais indícios para entender a alma humana.

Em geral, quem tem um animal de estimação tem para onde canalizar sentimentos frustrados. Animais não nos ofendem e, muitas vezes, nos mostram o quanto nós, os humanos, somos mal resolvidos ou mal intencionados. Temos muitas qualidades, por certo, mas somos muito complicados, quase indecifráveis.

Dá pra ser feliz:

Quando somos tachados de loucos por sermos diferentes?
Quando somos tachados de egoístas por cuidarmos da nossa vida?
Quando somos tachados de intrometidos por tentarmos ajudar os outros?
Quando somos tachados de displicentes ao levarmos a vida com leveza?
Quando somos tachados de ‘general’ por querermos disciplina e ordem no pedaço?

Dá pra ser feliz, se para sermos chamados de 'amigo' temos de ceder ao que achamos errado, ou emprestar nossos ouvidos para servirem de receptáculo, apenas? Amizade é troca de afeto, é respeito e solidariedade. É chegar na hora certa. Até ficar calado! Silêncio não magoa. Por isso queremos tão bem aos animais. Em certos momentos é bom ter um ombro amigo, silencioso. Mas é difícil; geralmente as pessoas têm um bocão!

E eu aqui, escutando esta linda música, abro minha alma na ânsia de obter respostas para uma vida tão efêmera... O que vim fazer, para onde vou, qual é o seu sentido? Ah, se eu soubesse a resposta! Fico a olhar minha casa cheia de quinquilharias inúteis, que consumo na ânsia de ser sempre feliz. Olho ao meu redor e o que vejo? Atitudes mesquinhas e pseudo-amigos - poucos são verdadeiros. Não serei eu também mesquinha e cheia de defeitos aos olhos dos outros? Dá pra ser feliz?

Vivemos insatisfeitos porque não temos paz; convivemos com a violência gratuita e com a falta de perspectiva. Muitas vezes ficamos estarrecidos diante da violência presenciada nas ruas, e nada fazemos por medo de represália. Vivemos um caos; matamos pelo simples ato de matar; vivemos numa sociedade de revoltados cujas causas sociais são visíveis, e, infelizmente, para nós, insolúveis. Dá pra ser feliz?

Entendo a tua caixa de e-mails lotada, jornalista! É tão fácil clicar no ‘Aurélio’ e colocar a palavra carência, egoísmo, hipocrisia... Dá pra ser feliz? Neste momento olho para o tapete: ao pé de minha cadeira está meu cachorro dormindo... Eu preciso de silêncio, e ele me dá. Neste momento, estou feliz. Temos momentos de felicidade! MOMENTOS!
Mas, com esta dose homeopática, dá pra ser feliz?

2 comentários:

  1. Anônimo11:46

    Bom dia, Taís! Todos nós acordamos pela manhã planejando nosso dia para tentarmos sentir um pouco de felicidade. Não é fácil quando se pensa demais, né? Beijos, Patrícia Baldez

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso