29 de julho de 2012

SALTO ALTO: O GLAMOUR E O FETICHE


- Tais Luso de Carvalho


Ana foi uma criança educada no capricho e no exagero: aulas de balé, de inglês, francês, natação, etiqueta... Não havia tempo para o ócio, para vivenciar um pouco mais sua infância. Mas cresceu e tornou-se uma mulher interessante e refinada. Casou-se com o Braga, um homem  bonito  e de bom gosto. Tudo dentro dos conformes: estudar, casar, ter um bom emprego e tentar ser feliz.

Certa noite, movida pelo cansaço, Ana foi para a cama  mais cedo do que de costume. Um tanto inquieta, ligou a televisão e deixou que seus olhos vagassem à procura de algum programa interessante. Mas o que encontrou naquele início da madrugada foram programas inchados de erotismo. Seus olhos saltaram das órbitas ao se depararem com insinuantes garotas que encenavam exaustivos bailados de mãos que percorriam corpos franzinos e solitários, que disfarçavam suas almas machucadas em busca de ilusões.

Ana cansou-se daquele tédio tendo em vista ter ao seu lado o homem que amava, o grande Braga, fartamente distribuído em um metro e oitenta. Desinteressada, mudou de canal.

Deparou-se, então, com outra situação: numa grande mesa – alguns homens conversavam sobre futebol, mulheres e certos fetiches, como os delicados pezinhos femininos passeando sobre poderosos sapatos de salto alto. Era um luxo, um glamour, um fetiche ao gosto de todos.

O relato que se desenrolava nesse programa foi encantando Ana. Relatos curiosos, mas comedidos. Dentre esses amigos, quem se manifestou a certa altura foi o brutamontes Nelsão -  malhado  e com tórax de leão.  Nelsão revelou que tinha em seu quarto, em cima da  cômoda, um delicado sapatinho vermelho, salto alto, bico fino. Sim, Nelsão adorava a delicadeza daquele vermelhinho que o induzia ao sono. Um brutamonte, mas com uma doce alma.

Com os olhos esbugalhados e com os ouvidos atentos, a mulher deliciava-se com a entrevista daqueles homens, mas não entendia a razão de tanto alvoroço a ponto de despertar tamanho encanto. Mulheres não devem entender de tais fascínios – pensou Ana.

Muitos deles faziam questão de arrolar os seus depoimentos naquele encontro de amigos, não escondendo o instinto romântico que possuíam. O tal sapatinho vermelho fez Ana subir aos céus. Com grande ansiedade, só pensava em exercitar o seu lado consumista e ir à procura de um poderoso sapato de salto alto, que por certo iria agradar o Braga.

Pouco depois falou Valério. Valério era delicado e meigo, e com belos traços. Não tinha aquele estereótipo do machão e nem ligava para saltos altos. Era obcecado por pés e tinha uma preferência: dedos. Mas não eram dedos comuns que agradavam o belo Valério: o segundo dedo teria de ser bem maior do que o dedão.

Tudo muito esquisito  naquela gente louca e fissurada por pés, dedos, orelhas, pescoços e pantorrilhas. Realmente era demais para Ana entender...

Valério narrou toda sua história, questionando e filosofando sobre todos os porquês dos dedos, numa explicação profundamente filosófica e freudiana. Para Ana, ainda atrapalhada com aquela entrevista, a história estava confusa, mas muito interessante: aqueles dois dedos disformes... por quê?

Ana parecia uma criança curiosa, queria entender mais sobre o assunto. Mas jamais ficou sabendo o porquê da história dos dedos. No auge da entrevista, quando Valério começou a relatar a sua obsessão por aqueles dois dedos anormais, Braga saiu do banho e veio para a cama.

Deitou-se ao  lado de Ana e colocou os pés em cima de duas almofadas que estavam sobre a cama. A mulher que nunca havia se detido nos dedos dos pés de Braga, levou um susto. E caiu num quaraquaquá...

Pasma, e com quinze anos de casamento no currículo, a mulher estava atestando que o impulsivo marido, o seu Braga, aquele homenzarrão educado, mas temperamental e machista, e por vezes irritante, tinha exatamente os pés grandes, fortes e com os dedos disformes.  Os dedos que Valério tanto havia falado.

Pensou em cutucá-lo para zombar... Mas virou-se para o lado e resolveu dormir. Havia muita coisa empoeirada, que não queria mexer. Mágoas que o tempo não apaga. Mágoas soterradas. Seria bom não levantar a poeira do velho baú e não quebrar o pacto feito com o silêncio. A madrugada conseguiu seguir mansa.

-----//-----


21 comentários:

  1. Taís,
    Taí um conto de qualidade. Na verdade um bom retrato do que acontece entre quatro paredes com a maioria dos casais ditos "normais" da nossa sociedade um tanto machista, um tanto consumista e, na maioria dos casos, um tanto reprimida. Os fetiches, o mais da vezes, são o "motor" que turbina relacionamentos para não caírem na monotonia. Belo enfoque, parabéns. JAIR.

    ResponderExcluir
  2. Haja 'estofo' para saber dar a volta por cima...Gostei de ler.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi Taís, tudo bem? achei muito legal, ficou lindo seu conto. Parabéns. Um grande abraço do Bicho do Mato.

    ResponderExcluir
  4. Querida Tais,

    Seu conto é uma obra-prima, que propõe reflexão do título ao ponto final.

    "A madrugada conseguiu seguir mansa". Mas será a mansidão, significando a solidão a dois, o máximo que se espera de um casamento de 15 anos? Um casamento dentro dos conformes, é verdade, com alguém que preenche perfeitamente o perfil procurado. Um homem bonito e de bom gosto, ideal para se ter ao lado durante as conveniências da sociedade. Mas alguém de quem Ana sequer notou o formato dos pés ao longo de tantos anos! Na realidade, um casamento de aparências, mas vazio em seu conteúdo, carente de companheirismo ou mesmo de atração. Uma relação superficial e incapaz sequer de despertar desejos.

    No meio da madrugada, surgiu para Ana a oportunidade de repensar essa relação. Mas mexer nela significaria "levantar a poeira", abrir feridas. Faltou coragem para Ana, que escolheu a comodidade de deixar tudo como estava. E a madrugada, na ilusão de Ana, conseguiu seguir mansa. Aparentemente.

    Maravilhoso conto, digno de análise acadêmica, tão relevante o conteúdo que preenche suas linhas e entrelinhas. Parabéns, minha amiga!

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes os fetiches são importantes para reavivar os relacionamentos mornos,e muitas vezes já quase apagados.
    Adorei!
    Um beijo e uma ótima semana!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  6. Oi Taís!
    Bela crônica!
    Eu confesso que sou atraida por pés, ninguém passa por mim sem que eu dê uma boa olhada neles.rsss
    É, depois deste tempo todo sem olhar bem o maridão e o vê-lo por completo não dá para remexer nas feridas aparentemente saradas e viver com elas sem remédio depois.
    Beijinhos e uma linda semana!

    ResponderExcluir
  7. E é tão fácil fazer as pessoas felizes!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Que maravilha de conto!
    Nada como uma escritora completa!
    Que delícia de leitura!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Como às vezes nos surpreendemos com detalhes nunca antes percebidos, conforme aconteceu com a protagonista, esposa silenciada pelos anos de convivência repressora.
    Um conto feminino e delicado.
    Uma sensível narrativa, Taís.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
  10. Creio que é sempre tempo para se mencionar detalhes antes não percebidos, descobertas, assim como fazer uma limpeza e retirar o pó conservador e impeditivo de renovação do brilho.
    Você foi ótima! Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Taís, estou aqui para agradecer tua adesão ao meu modesto espaço. Obrigado por me seguir. Estou contente por ter mais um seguidor - seguidora, no caso específico - de Porto Alegre, pois a maioria dos meus seguidores são de outras cidades. Gostei do teu conto. Um abraço. Até a próxima. Tenhas uma boa noite.

    ResponderExcluir
  12. Ola,taí uma excelente história.Gostei muito.Grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, Tais.
    Uma história muito buena que uma poderia se refletir .. as vezes tem que fazer "vista grossa" para continuar a harmonia, mas... tudo tem seu limite.
    Envio um grande abraco e tenha usted um dia feliz.

    ResponderExcluir
  14. EU AMO ESSE INSTRUMENTO DE TORTURA.
    DA QUANDO ENGORDEI,COMECEI A SENTIR DORES, QUANDO USO, COMPREI UM SALTINHO DE GEL, E CONTINUO USANDO DO MESMO JEITO



    BACI

    ResponderExcluir
  15. Uuuuuuiiiiii!!! Abafa o caso... kkk
    E quantos casais não agem assim...caso contrário não haveria mais casamentos!

    Beijão

    ResponderExcluir
  16. Olá! Sou eu novamente, a Marcia(grega), entrando com um perfil diferente... Quero te convidar para visitar e conhecer o blog da minha empresa de Midia Social, ZixPlus.
    Mais uma nova empreitada que começo, com o auxílio de minha sobrinha que mora na Flórida.
    Construímos e reformamos blogs e websites, bem como, elaboramos perfil nas diversas mídias socais, divulgando e dando manutenção.
    Precisando de nossos serviços é só avisar!
    http://zixplus.blogspot.com

    Bjussss

    ResponderExcluir
  17. Taís,que beleza de conto!Muito interessante a maneira de abordar o assunto dos relacionamentos e a protagonista descobrir os gostos masculinos tb!Ficou genial!Bjs e meu carinho!

    ResponderExcluir
  18. Querida amiga

    Penso que viver
    é semear com palavras,
    imagens e sonhos,
    palavras que acordem
    o belo,
    o justo
    e o melhor do mundo
    em outras vidas.

    Que este seja o nosso
    compromisso com a vida

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  19. Olá Taís, quanto tempo, né?!?
    Gostei, a vida como ela é...
    Bjos.

    ResponderExcluir
  20. Oi Taís,

    Tem dias que o conhecimento chega tarde em nossas vidas, ou será que é a história que já chegou ao fim sem terminar o livro.

    O mundo está cheio de Ana's e Braga's...

    Beijos Taís

    Leila

    ResponderExcluir
  21. Minha amiga! Adorei! Já estava com saudade de tuas crônicas! Te encontrei num blog amigo e disse para mim mesma, kkkkk, vou lá matar as saudades.... Dia 07 de agosto é aniversário de um (01)ano do Blog! Espero você! Obrigada pelo carinho e pelos comentários sempre tão gentis!
    Um abençoado e feliz final de semana!
    Abraço carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso