5 de maio de 2017

A GULA...

    

        - Tais Luso
A Gula é um desejo de consumo alimentar além do necessário; uma vontade insaciável de comer o mundo. Olhar para um bufê é algo que mexe com todos os nossos sentidos. Por quê? Ora, ora...
O chamado prato livre em restaurantes, é moda. Come-se um pouco de tudo o que existe no bufê. Eis a gula! Difícil é resistir a tanta oferta maravilhosa. Atrás desse condicionamento, de comer muito, existe um ser ansioso. Os gulosos têm medo de perderem o prato mais gostoso. É uma sofreguidão. 
Aqui em casa somos vegetarianos. Mas os vegetarianos também comem muito bem! No começo custei a perceber.  Pensei que fossem bem conscientizados sobre a quantidade. Não, os vegetarianos são conscientizados na qualidade do que querem, mas não na quantidade ideal. De vez em quando me perco... Com a desculpa de não se comer carne, é bem possível que exista em nós uma compensação. A gula é um condicionamento antigo, desde que o homem está no mundo, desde o tempo que se caçava animal  à unha. Embora seja muito saudável a comida vegetariana, ela também engorda, se exagero houver, portanto depende da nossa atitude. É um estilo de vida que gosto muito. É uma comida leve. Saímos bem de um restaurante vegetariano.
Há anos que escuto tudo sobre os alimentos que não são saudáveis. E na época me preocupei um pouco. Lembro que eu fazia muitos sucos, um deles era de tomate misto. Tomates estavam em alta como valor nutritivo. Entusiasmada, achei que levaria minha família mais longe, sendo mais saudável. Mas depois descobriram que o tomate não fazia jus à fama, só enrolava, servia apenas para embalar belos molhos. Excluí o inofensivo tomate que não ajudava em nada.
Também surgiram como vilões, o abacate, os ovos, as farinhas, o inocente iogurte, o camarão, carnes vermelhas; e foi-se o meu churrasco! O coitado do frango entrou numa hormonoterapia para o engorde! Sobrou o fantástico bacalhau e outros peixes do time, feitos com molhos especiais.
Hoje, muitos dos antigos apenados foram perdoados e voltaram às mesas, triunfantes e acarinhados pelos especialistas.
Cresci comendo ovos quentes todos os dias, carne, abacate, manteiga, bolo, churrasco, maionese, iogurte, sorvete... Mas de repente parecia uma conspiração contra uma geração bem alimentada, forte ao natural.
Passei bons anos sem comer ovos quentes, e hoje os especialistas receitam ovos todos os dias, pois contém ácido fólico, vitaminas B5, B12, B6, D e vitamina K . Como ninguém viu isso? Como foram abolir esse alimento? Ficou sem explicação. Hoje penso duas vezes antes de dizer Amém no que escuto. Um dia a gente aprende a se comandar. Sempre há tempo para retomar - mas sem gula.  Haveremos de comer para viver, não viver para comer!
___________________



49 comentários:

  1. Taís ... comer sem gula ... um pouco de tudo na simplicidade dos temperos dando prioridade a cozidos e grelhados!
    Meu filho é vegetariano há já uns anos e eu passo lindamente sem comer carne!
    Bj e bela e boa partilha!!!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Tais, que delícia ler aqui, bem colocado tudo na forma um pouco com humor que é sua marca registrada, humor e inteligência andam juntas por aqui!
    Minha amiga, desde minha adolescência que sempre tive problemas digestivos, minha vesícula foi extraída por isso,(até brinco dizendo que tive doença de idosa ainda na adolescência,sendo assim envelheceria muito bem) portanto gula não faz e nunca fez parte de minha vida, embora eu ame comer bem, mas comer bem não quer dizer comer muito e de qualquer jeito, somente excluindo alguns alimentos pesados para digestão, principalmente as gorduras, mas como manteiga no lugar de margarina, sem querer sempre fiz jejum intermitente,rsrs, como até as dezenove horas e depois só no outro dia ao meio dia. do meio dia às dezenove horas, isso tem de ser bem controlado, portanto houve mal que veio para o bem, rsrs me acostumei!
    Mas o que tem de bom é que, não faço dieta, posso comer o que me apetecer, mesmo porque, um pouquinho pode!
    Amei ler aqui, sempre nos faz pensar e pensar é bom, pois cuidar da saúde sim, mas nunca com tanto rigor, curtir a vida é tudo de bom!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  3. Hedonismo

    Pois independente do que executa a banda
    Ou que prescreve letras miúdas da bula
    Faça aquilo que vossa consciência manda
    Eis o comportamento que vos estimula.

    Porque, meu amigo, é como este mundo anda
    Respeite a todos, vete o pecado da gula
    Comendo somente o que estômago demanda
    E não lipídios que a propaganda estimula.

    Então, fora junk food, venha só o que presta
    E, assim, desta vida acaba todo mistério
    Quando todo o saudável portanto nos resta.

    Resta daí, não levar a vida muito a sério
    Meio que, todo dia encarar como festa
    Pois o que dá prazer nunca é deletério.

    ResponderExcluir
  4. Taís nós aqui em casa,digo eu e meu marido temos uma alimentação bem balanceada,não comemos nada gorduroso,frituras nem pensar e carne vermelha bem pouca,preferimos as carnes brancas.
    Verduras e legumes não faltam e frutas também.
    Graças a Deus não temos nenhuma doença,como diabete,colesterol e outras,somos magros e acho que continuaremos assim,não só por ser uma alimentação saudável,mas que faz bem a nossa saúde.
    Adorei a crônica,como sempre muito bem escolhida.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Não me considero uma pessoa gulosa por comida, mas gosto dos Self services, por ser “chata “ gosto de muitos alimentos e desgosto de tantos outros. Nunca me incomodei com essas censuras do tomate, do chuchu, ou seja lá do que for, como o que gosto e nunca fui gorda, nem tampouco magra, acho que tudo depende do metabolismo de cada um. Agora um churrasco é sempre bem-vindo, um peixe ou um frango assados. Só não comeria carne se tivesse eu mesma que abater o animal, aí sim só comeria vegetais, mas no final das contas todos são seres vivos, cada um na sua categoria, e com sua função no planeta. É também uma questão de costume alimentar desde criança, e muito difícil de mudar, é antes de tudo ter convicção do que está fazendo e não simplesmente seguir o modismo de determinada época.
    Ótima sua cronica, dá muito o que falar.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga,
    como me deixou bem disposta esta sua crónica! Tão engraçada!
    Veio mesmo a propósito, hoje que recebi as análises de rotina e que me deixaram preocupada: colesterol elevado ... pudera... deixei de tomar o remédio que custava um balúrdio, não tem genérico e ainda por cima é criticado por muita gente que percebe!
    Gula? Não peco! Só um pouquinho quando vou ao bufê, por isso fujo dele a sete pés!
    Vegetariana até eu poderia ser, pois prefiro o peixe. Mas, salmão?...dizem que é de "aviário"!!! Peixe-espada, é de profundidade, traz chumbo! Cavala?... essa não!!!...é peixe de gente pobre!!!...
    Meu marido gosta de tudo... sorte a minha! Mas na verdade ele só reclama da minha "boa" comida. Diz que está barrigudo porque eu cozinho muito bem! lol
    E eu sou como o tal de São Benedito: o que comia pouco e era gordito!!!
    Decidi que tenho é de colocar agrafes nas bocas de cá de casa!!!
    Beijinhos, querida Taís.
    Adorei ler-te!

    ResponderExcluir
  7. Quando eu era criança, sardinha, cavala e sarda, era peixes a evitar, faziam muito mal à saúde. Hoje dizem que são os melhores. Parece-me que a minha médica é que tem razão. Ela diz que não há nada que faça mal à saúde senão o excesso.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Taís, gosto muito de te ler e sempre acho engraçado os teus olhares tão apurados. Nos bufês vemos cada uma,credo! Vemos quem quase leva uma mala no prato pra aproveitar bem. Pior os que pegam por gula e depois desperdiçam... Há quem viva pra comer mesmo! bjs, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  9. Sou adepta a comer a comida necessária, e jamais, deixar que ela me coma...
    Suas considerações são avisos de saúde, de educação e finesse! Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Pois é Taís sua cronica está perfeita para as meias verdades e ditadura da alimentação,onde somos bombardeados com afirmativas sobre alimentos, que tem hora que penso, que o melhor é viver só de algas,rsrs. Eu que também fui criado no interior das Minas Gerais disputando os ovos pela manhã para tomar quente bem mole revejo com alegria as boas informações do ovo. Há quem até o recomende frito no toucinho, pode?
    Mas a gula é mesmo uma indecência Taís me faz sempre lembrar do filme a Comilança e de Babete com sua arte de ilustrar os olhos com seus pratos.
    Gostei e vamos nos cuidar sem exagerar.
    Bom e belo fim de semana com ventos e chuvas de Outono por aqui.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  11. Bom dia amiga, rsrs, amei voltar aqui para ler os comentários, foi de propósito, pois quando se fala em comida...
    Sim, o assunto rende e isso me dá prazer em ler para saber como andam as pessoas e suas ideias, tem até um ditado que nem sei quem inventou que diz:"você é aquilo que come", ainda não sei quem eu sou,rsrs!Mas completando o raciocínio, amei conhecer os costumes das pessoas que comentaram aqui.
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  12. Tratas, nesta crónica, um assunto extremamente importante e atual, desde a questão das modas até ao problema (sério) da quantidade e da comida de "plástico", assim como os sumos industriais.
    Como em tudo, deve imperar o bom senso. Tudo é importante; o que é mais difícil, para mim, é conseguir resistir ao prazer dos sabores, sobretudo o da doçaria.Temos uma cozinha fantástica e, de um modo geral, saudável. Vou conseguindo um equilíbrio, o que já é muito bom.
    Complicado é educar uma criança para comer saudável, perante tanta oferta e pressão publicitária!
    Gostei muito, Tais. Bjinho

    ResponderExcluir
  13. Tais Luso
    É de crer que a gula estará muito associada a um sentimento de desejo de realização, pelo que conheço da gastronomia e de gurmet's. Confesso não crer muito em comida vegetariana. Vou mais pelos nutricionistas que recomendam comer de tudo. Entretanto que ter em conta o ingerir doses adequadas, habituar o estomago a se saciar com determinada quantidade de comida. Evitar bebidas que contenham álcool, especialmente a cerveja, etc. E beber sempre bastante água.
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Muito interessantes esta crónica sobre a gula, minha Amiga Taís. Há realmente pessoas que exageram no que comem. A alimentação, quanto a mim, deve ser saudável e moderada. Eu sigo a máxima da nossa actriz, já falecida, Beatriz Costa, que dizia: "provo de tudo e não como de nada"...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Meu pecado capital
    Não é a gula, é a sede
    Dita por Cristo - vós vede...
    Sede de vinho, em geral.

    Não morrerei desse mal
    Se eu não ficar preso à rede
    Junto a quatro ou uma parede
    Em degustação mortal.

    Eu bebo! Bebo sozinho,
    Bebo com amigo ou vizinho
    Na paz, que Deus a bendiga!...

    E, ergo-te a taça, com o vinho
    Feito do amor e carinho
    De nossa amizade antiga.

    Belíssimo, teu texto! Como sempre, teus textos são maravilhosos. Parabéns! Laerte.

    ResponderExcluir
  16. Boa noite querida Tais.
    Uma alimentação balanceada e equilibrada é o ideal. A minha filha é vegetariana não por opção, mas porque pequena teve alergia a carne e todos os seus derivados. No passado eu pensava que seria ate melhor, mas hoje em dias acho que não seja, ela usou muito leite de soja, e todos dizem que era uma maravilha. Mas nos últimos tempos descobrimos que a soja, tanto em leite, como a propria soja desequilibra a tireoide, e foi o que fez a minha filha aumentar de peso. Agora descoberto esse pequeno detalhe, ela está bem melhor e conseguindo emagrecer e ainda comendo de tudo rsrs. Por falar em gula hoje foi o dia da gula pra gente rsrs. Comemos tanto que estou ate enjoada rsrs. Um bom assunto abortado amiga, como sempre com humor e bem escrito. Acho que uma vez ou outra podemos comer o que gostamos e não ligando para a quantidade, mas diariamente isso é prejudicial. Eu costumo diminuir as calorias durante a semana e acrescento muitas verdura e fruta e aos finais de semana deixo livre para a gula rsrs. Um feliz domingo para vocês. Lembrança ao Pedro. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  17. Taisinha, esta tua excelente crônica conta bem das boas e das más orientações, no que diz respeito à alimentação, como, por exemplo, o aconselhamento dos médicos para que seus pacientes não comessem ovos, como os seus conselhos para a ingestão de tomate (depois acusados por eles de malfeitores).Ainda fico a me perguntar: quais serão os próximos alimentos que devemos evitar ou consumir? A atenção a essas orientações nunca será demais. Parabéns.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  18. Amiga, que crónica excelente.
    "Devorei" com tanto prazer as tuas palavras que consegui ignorar o malfadado pecado capital - a gula.
    Comer ou beber, o quê e quanto - cada um que escolha, sem ligar a modas.
    Contar calorias, eu? Não, só contas do meu rosário.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  19. Excelente crónica , comer o no comer, esa es la cuestión.....en un momento todo es bueno se dice, al otro todo eso hace daño......en fin ya llevo bastantes añitos de existencia y buena o mal el alimento hasta ahora solo me daña el engordar por comer lo que me agrada y por lo tanto me llevo a dieta para adelgazar ....lo mucho daña...lo poco también ...pero esos gustitos de vez en cuando no me los perderé ...no es gula es apreciar los frutos a través del gusto uno de los 5 sentidos que también se debe atender
    Un abrazo Tais...y tú no tienes tus gustitos de vez en cuando?????

    ResponderExcluir
  20. Tais
    esta crónica é excelente e eu confesso que gostei do que li, e você acaba com uma frase que eu uso muitas vezes, quando olham para o que eu como. Eu como para viver, eu não vivo para comer.
    evito o que acho me faz mal, consumo muito pouco carnes vermelhas, mas também acho que sabendo dosear podemos comer quase tudo, pois o que antes fazia bem agora dizem que faz mal, mas também o que consumimos agora, daqui a algum tempo irão dizer o mesmo que afinal faz mal, por isso temos de saber escolher a comida e comer para viver.
    bom domingo
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  21. Oii, vi o seu blog e gostei muito do texto. Aliás, que texto interessante, nunca tinha parado para pensar nisso, realmente a nossa alimentação deve ser moderada, sem nunca deixar de consumar o que nos faz bem. "Haveremos de comer para viver, não viver para comer!", nunca vi uma frase que retratasse tanto a realidade! Parabéns pelo maravilhoso texto e pelo blog!!
    Tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  22. Olá Tais, muito boa e oportuna sua crônica. Já comi de tudo , hoje vivo em dieta, nada que contenha glúten e lactose, o resto como com moderação. Há pessoas que não conseguem moderar na cora de comer.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  23. Amiga Taís, acredite que quando vejo muita comida exposta perco o apetite :)
    Sou moderada a comer e felizmente não engordo ;) Não aprecio gorduras e comidas processadas, mas como de tudo um pouco com excepção dos derivados de leite.

    Um beijinho e boa semana

    O Toque do coração




    ResponderExcluir
  24. Taís:
    yo creo que la gula se debe a la ansiedad. Es, a la vez un castigo y un premio.
    Lo digo por mí, que como más de lo debido. Luego me arrepiento. Pero cuando me siento de nuevo a la mesa, como y como.
    Es difícil salir de esa situación.
    Me costaría mucho ser vegetariano, pero la fruta me encanta.
    Beijos y abraços.

    ResponderExcluir
  25. Não sendo vegetariana... contudo, os vegetais fazem mesmo parte da maior parte de todos os pratos que como regularmente...
    E hoje em dia... ouvimos estudos que dizem que o alimento A ou B faz mal... para logo a seguir, depois se ouvir dizer o seu contrário...
    Chocolate faz mal... leite... café... ouvimos estudos sobre isso durante umas semanas... depois... ouvimos o seu contrário... ao sabor dos interesses económicos dos mercados dos produtos...
    Acho que temos de pensar na seguinte lógica... quando um estudo nos diz que determinado alimento faz mal... há que pensar a que indústria esse estudo interessaria... pois há industrias que só florescem... quando se prejudica a concorrência...
    Já não me guio por lógicas de estudos... tudo faz mal, quando é consumido em excesso... e tudo faz a sua falta quando consumido em quantidade moderada... e não querendo destruir sua dieta, Tais... mas o Homo Sapiens, não chegaria onde chegou se não comesse carne... as proteínas continuam a fazer uma imensa falta ao organismo... e hoje em dia... até os vegetais e as frutas, são autênticas esponjas de químicos...
    Há tempos um antigo produtor de morangos, disse-me que actualmente não os come... pois a gente nem sonha o que lhes deitam, para eles serem grandes e bonitos...
    Já há muito que não se consegue comer tudo no seu estado puro... pois tudo é feito para crescer bem rápido... desde o pinto no aviário, até uma fruta em qualquer estufa... é o mundo que temos...
    Sim... há culturas biológicas, dizem... mas eu só acredito... se elas estiverem no meu próprio jardim... e eu tiver mesmo a certeza, de que são apenas regadas com água pura... de resto... o adubo natural... também tem de vir de algum lugar... puro... acho muito difícil!... E as águas das regas das quintas biológicas... também duvido que tenham proveniência numa fonte cristalina...
    É o mundo mesmo que temos... onde tudo é criado à pressão... dum jeito ou de outro, para se tornar rentável... e não apenas saudável...
    Em matéria de excessos... confesso que eu também sou daquelas pessoas, que perde logo o apetite... quando vê fartura... pelo que nunca cometo excessos... pois sei que não me sentirei lá muito bem, logo a seguir...
    Belíssima crónica, Tais! Focando mais uma vez um assunto bem pertinente...
    Beijinhos! Boa semana, Tais!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana, belo teu comentário! Comer hoje é loteria! Tornei-me vegetariana por um motivo: a carne não me vai bem. Peixe aceito, sim, não sou radical. Os ovos trazem a proteína que preciso, junto a outros alimentos. Mas tudo, Ana, tudo já foi mal falado! Então meu bom senso fica de olho. A indústria é o maior vilão, não tenho dúvidas. Mas 'como' de tudo, apenas aboli as carnes, com exceção de vez em quando peixes.
      Um beijo, querida amiga, obrigada sempre pelo teu carinho.

      Excluir
  26. Taís Luso, boa noite !
    Penso que estou fora deste quadro doentio dos
    "gulosos", comedores exacerbados, descontrolados.
    É uma questão de autoeducação.
    Este teu texto observa e chama a atenção, com
    propriedade, para os exageros alimentares.
    Parabéns, querida vizinha. Uma ótima semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  27. Hola, Tais. Me ha hecho sonreir su magnífico post porque, como mediterránea, desde niña he tenido que aguantar a los turistas “europeos” que durante años venían a “culturizarnos” hablándonos de lo mala que era nuestra cultura alimentaria. ¿Aceite de oliva? Aggg!! Jamón ibérico, Pufff!! Potajes de cuchara, Achss!! Huevos fritos, paella, pescaditos rebozados con harina y fritos, acompañados de abundante pan tostado frotado con un tomate maduro y rociado con un chorrito de aceite y sal… Todo era malo.
    Hasta que la Organización Mundial de la Salud, la OMS, empezó a indultar nuestros alimentos y promocionarlos por el mundo como base de una dieta sana y equilibrada, a la que no hacen falta los complementos vitamínicos.
    Así que soy partidaria de apreciar los alimentos de nuestros mayores en cantidades adecuadas, esos que nuestros hermanos italianos llaman de “távola calda”, de comidas variadas y tranquilas que nos provocan placer y conversación y nos dejan el alma en paz. Un beso.

    ResponderExcluir
  28. Sabes que amo nutrição e esta postagem dava para fazer uma outra crónica, vou procurar ser concisa.
    Foram muito falados os ovos e tomate...
    A gema dos ovos é quase toda gordura pura, exatamente com a cor da gordura da sua progenitora, gordura saturada, pelo que, foi recomendado a sua abtenção em casos de esclerose instalada e redução do consumo para os saudáveis num tempo em que os americanos comiam ao pequeno almoço omeletes de 6 ou 8 ovos, acrescidos do bacon frito e café preto...
    Mais tarde, os cientistas descobriram que o ovo tem lecitina que funciona como um dissolvente... Foi então que liberaram o seu uso, aconselhando a não ultrapassar 1 ou 2 ovos por dia... No entanto, e eu tivesse excesso de colesterol no sangue, garanto que os não comia, o colesterol está lá...
    Não gostava de tomate da salada quando criança e lembro-me do meu pai incentivar a comer, dizendo que era muito saudável pelas vitaminas...
    Recentemente descobriu-se que o licopeno do tomate é importantíssimo à saúde da próstata e não só, mas deve ser cozinhado.
    A pesquisa científica sobre os componentes alimentares está mais ativa do que nunca, a nível mundial, facto que nos deve regozijar.
    A primeira vez que vi um vegetariano obeso fiquei deveres atónita! Nem percebia a razão... Hoje sei que o excesso de amido dos cereais e sementes também são muito prejudiciais e podem conduzir à diabetes.
    Não há dúvida que ter uma alimentação variada e comedida - vegetariana, ou basicamente vegetal - com pouca quantidade de alimentos de origem animal de criação natural é o ideal.
    É preciso um estudo antecipado cuidadoso, quando alguém decide ser vegetariano - somos omnívoros por natureza.
    Vou ter que abrir um novo blogue sobre este assunto, especialmente porque me confrange ver as pessoas mal informadas.
    A minha irmã é médica, casada com médico. Gosta e tem jeito para a culinária, porém, o que lhe interessa obter, é o mais saboroso e não o que é saudável e saboroso... Advirto-a por vezes, mas é hábito arreigado...
    Vou parar por aqui...
    Absolutamente contra a gula desenfreada, mas não quero dizer que não se façam uns pecadinhos gulosos em dias de festa, especialmente se forem saudáveis.
    Este tema é muito pertinente e sempre oportuno.
    Grande abraço, querida amiga.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso sim, Majo, Vi que a carne vermelha não nos fazia muito bem, deixamos de lado e substituímos, quando queremos carne, pelo peixe. É claro que de vez em quando como algo apenas gostoso, sem valor nenhum. Mas estamos nos sentido muito bem, há uns 3 anos. E cuidamos o lado das ‘proteínas’. E como é gostoso a mistura de frutas no prato tradicional, dá um toque bem diferente.
      Beijo, querida amiga.

      Excluir
  29. Cara amiga cronista Tais, já fui viciado em carnes e chocolates; já comi muita carne: bovina, suína, caprina; carne de aves... Houve um tempo em que devorava uma barra de chocolate branco de 200 gramas por dia. Hoje como bem pouca carne e chocolates não os como há muito tempo. Deixei de consumir refrigerante há mais de trinta anos. Foi facílimo abandonar o refri, porque não nunca gostei muito. O açúcar o abandonei há pouco tempo. O vício alimentar do qual sou prisioneiro desde tenra idade é o hábito de comer frutas, e aprecio uma variedade grande a começar por banana, laranja, bergamota, melancia, mamão, caqui, abacaxi, kiwi, acerola, maçã, pera, acerola, amora, ameixa, romã... Já houve dia em comi somente frutas,simplesmente pelo prazer que elas me proporcionam. Não sou de muita comida de panela, mas em relação às frutas, às vezes, preciso me conter para não me empaturrar.
    Gostei bastante do tema deste post.
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  30. Houve época em que eu bebia e fumava muito e, como consequência, comia de tudo que aparecia, porcaria de toda qualidade em forma de tira-gosto. Faz uns dez anos que decidi valorizar a vida, abolindo o cigarro e a bebida e, com eles, os venenosos tira-gostos. Hoje me abstenho de comer certas coisas e como só o suficiente como: frutas pela manhã; feijão com arroz e carne, frango ou peixe; uma fruta e uma fatia de bolo de milho, no lanche da tarde e no jantar, verduras e/ou legumes com arroz e carne, frango ou peixe. Tudo com moderação, na quantidade exigida pelo depósito. Rsrs.

    Como sempre, bela e inteligente a tua crônica Taís.

    Beijos, uma ótima semana para ti e para os teus e parabéns pelo dia das mães.

    Furtado

    ResponderExcluir
  31. Olá Taís,
    Gula, é pecado que não me levará ao fogo do inferno. Também já fui vegetariana durante dois anos, sem consumir quaisquer tipo de carnes, nem de peixe sequer. As proteínas ingeria-as na soja concentrada. Isto, há muito, muito tempo.
    Carne vermelha é alimento que não entra cá em casa, mas gosto e muito, de todo o tipo de marisco.
    Creio que na alimentação, como em tudo, a regra principal é evitar excessos. Comer pouco, mas pelo menos 4 vezes ao dia é o meu lema.

    Beijinhos e obrigada pelo cariz didáctico do post.

    Boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  32. Cresci comendo ovos quentes todos o dias ...
    Li com muito agrado, Taís. Como de tudo, mas talvez seja preferível provar apenas. :)
    Beijinhos e boa semana.

    ResponderExcluir
  33. Olá Taís, obrigatoriamente sou um moderada,tenho intolerância a glúten e lactose, com isso não como queijos nem leite mesmo sem lactose, minhas opções resume-se em ovos cozidos sem a gema, peito frango e legumes e verduras e tapiocas. Me sinto bem assim. Nunca fui gulosa., sou muito baixinha e tenho receio de engordar. rsrs..

    Gostei do que li!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  34. Querida Tais, como sempre, uma cronica pertinente, numa época em que os estudos são tantos que nos deixam confusos. Sabes, quando tinha dezoito anos precisei de fazer um tratamento para emagrecer e fi-lo com um endocrinologista, pois nem se falava em nutricionistas e muito menos nessas dietas milagrosas que podem até fazer milagres, mas não ensinam a pessoa a comer bem e muito menos adaptam o organismo às mudanças; foi um tratamento longo, sem medicamentos e sem passar fome. Aprendi a comer e nesse aprendizado deixei de ser gulosa. Imagina que ainda hoje, se me sento a uma mesa de café com uma amiga, ela pede um doce e eu o meu cafezinho sem açúcar, coisa impensavel para mim antigamente. Como de tudo com moderação e sempre saio da mesa sentindo-me leve. Nunca mais voltei a ser gorda; continuo a adorar as comidas que engordam, mas aprendi que não são proibidas desde que sejam consumidas sem exagero.. Tais, aí no Brasil não abri mão da farofinha que adoro, mas aqui em Portugal nunca como. Sou uma pessoa que não dá valor à comida; como de tudo e sou incapaz de ir longe comer determinado prato por mais famoso que seja.Vou muitas vezes ao restaurante, mas servem os que tenho perto de casa e que, sei, são de confiança. Amiga, cheguei dia 4, mas, apesar das saudades que já tinha, ainda não consegui esquecer a tristeza nos olhos da minha mãe nem a carinha ausente do meu pai que, creio, não me conheceu. Muito obrigada, amiga , pelo carinho e pelo tema tão atual, neste nosso mundo que tudo contamina para que as carteiras engrossem cada vez mais. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  35. Hay que escuchar al cuerpo lo que nos pide. si nos apetece fruta pues fruta y si queremos carne, también es necesaria. El problema es que nos dejamos llevar por lo que dicen, nos lavan el cerebro con el fin único de que consumamos lo que la publicidad y los profesionales pagados, nos dictan. A final de los sesenta se demonizó el aceite de oliva en España. ¡Era malísimo! Gracias a eso,consumíamos aceite de maíz importado de EEUU. Por algo sería.
    Pues enhorabuena por el texto y un abrazo.

    ResponderExcluir
  36. Mais uma crónica à Taís....Maravilhosa.
    Gosto de Bufê....Gosto de escolher...Primeiro vejo os pratos quentes; se não me agradam, há sempre alguma coisa nos frios e saladas.....Desde que no fim haja um bom doce.....,tudo perfeito.
    Por mim, um ´serra da estrela´ e um tinto Alentejano...., dispensam o
    bufê.....Não há melhor que petiscar,hihihi.....
    Beijos...Abraços

    ResponderExcluir
  37. Eso mismo: comer para vivir,
    pero igual ¡RICO!

    Yo sigo siendo carnívora, pero tengo
    familia vegetariana también.

    Besos

    ResponderExcluir
  38. Gostei muito de ler este seu texto.
    Acho que não sofro de gula, até porque
    sendo diabética tenho que ter alguns
    cuidados. Mas olhando para as imagens
    que colocou, ai que apetecia provar
    um pouco de tudo, apetecia.
    Bjs. amiga e que esteja bem.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  39. A tentação é grande, penso que não sofro de gula, mas percebo que venho ingerindo mais alimentos do que o necessário, principalmente em viagens. Hoje está difícil de saber o que não é nocivo.Não como carne vermelha há anos por opção.
    Gosto muito de doce, mas procuro dosar. bjs

    ResponderExcluir
  40. Oi Taís
    A gula começa pelo olhar e se não tivermos cuidado comemos além do necessário
    O importante é consumir alimentos sem exageros. Mas de vez em quando extrapolamos e aí vem o pecadito da gula
    Beijos com carinho amiga

    ResponderExcluir
  41. A gula é uma espécie de doença bastante generalizada...
    Quanto ao que se deve comer ou não, eu tenho uma ideia, que é comer o mais variado possível, pois uma vez nada faz muito mal.
    Gostei do post, uma boa chamada de atenção para os mais distraídos...
    Bom fim de semana, Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  42. Creio que a ansiedade seja um dos principais ingredientes da gula, aliada a beleza dos pratos que encantam os olhos, fazendo o apetite ficar exagerado.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  43. Não me parece que sofra de gula, pois sempre tento comer com moderação mesmo nos restaurantes em que é self service, quanto ao que comer, evito aquilo que considero menos saudável, doces, esses quase nunca como, no entanto com o avançar da idade o peso vai aumentando, talvez falta de exercício físico, ou mesmo uma questão genética pois com a minha mãezinha aconteceu o mesmo.
    Um grande beijinho
    Maria

    ResponderExcluir
  44. Mi tipo de alimentación es variada y equilibrada, sin prohibir ningún tipo de alimentos. Con los años y debido a la edad, algunos alimentos como los azucares y las grasas animales procuro consumirlos poco. Si tuviese que elegir entre carnes y pescados, elegiría pescados.
    Los medios de comunicación ponen de moda productos, (vendiendo sus grandes cualidades y beneficios en nuestra dieta), para aumentar su consumo.
    Felicidades por el interesante tema.
    Un fuerte abrazo querida Tais.

    ResponderExcluir
  45. Tudo nesta vida deve ser feito com moderação incluindo a comida, não sou vegetariano mas não como carne há já uns bons anos.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  46. Boa tarde, querida Tais,
    excelente crônica.Falar sobre a gula, me deixou nervosa rsssss, confesso que sou pecadora, sou gulosa. Interessante o assunto a respeito dos ovos, pois quando meu filho era pequeno, adorava ovos, (meus dois filhos têm intolerância à lactose) , por isso, a substituição era bem- vinda, porém chegou o dia em que o pediatra proibiu a ingestão de ovos, devido à polêmica que houve em uma época. Hoje, já podemos consumir uma grande quantidade deles, porque eles nos fazem bem. E, assim, os alimentos vão mudando seu valor, o café também é um deles.Tais, maravilhoso tema, adorei. Obrigada, beijos!

    ResponderExcluir
  47. Também cansei do ovo vilão e depois, ovo bonzinho.
    Mas eu acredito na dieta do mediterrâneo, pois entendo que é uma constatação, devido ao tempo que ela existe e funciona muito bem, tanto na saúde, vigor e longevidade. No entanto, é uma pena que essa dieta não possa ser aplicada no Brasil, pois nossos alimentos são de péssima qualidade, inclusive os animais. Nada adiantaria seguir a tal dieta com alimentos sem nenhuma pureza e cultivo correto. Mas podemos fazer uma alimentação com base na dieta do mediterrâneo, eu mesma faço, porém ciente de que não é a mesma coisa.
    Outro ponto é que mesmo com a constatação de uma dieta de qualidade, temos que analisar o que é bom ou não para para cada um de nós. Somos únicos, individualizados, temos que entender isso. Por exemplo, eu não como soja, se comer tenho uma coceira no corpo todo e por dias, exceto a soja fermentada. E assim vai...

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso