19 de maio de 2017

DE QUE RIEM OS PODEROSOS?

  


              - Affonso Romano de Sant'Anna 

      

          De que riem os poderosos?
          tão gordos e melosos?
          tão cientes e ociosos?
          tão eternos e onerosos?


          Por que riem atrozes
          como olímpicos algozes,
          enfiando em nossos tímpanos
          seus alaridos e vozes?


          De que ri o sinistro ministro
          com sua melosa angústia
          e gordurosa fala?
          Por que tão eufemístico
          exibe um riso político
          com seus números e levíticos,
          com recursos estatísticos
          fingindo gerar o gênesis,
          mas criando o apocalipse?


          Riem místicos? ou terrenos?
          riem, com seus mistérios gozosos,
          esses que fraudulentos
          se assentam flatulentos
          em seus misteres gasosos?


          Riem sem dó? em dó maior?
          ou operísticos gargalham
          aos gritos como gralhas
          até ter dor no peito,
          até dar nó nas tripas
          em desrespeito?
          Ah, como esse riso de ogre
          empesteia de enxofre
          o desjejum do pobre.


          Riem à tripa forra?
          riem só com a boca?
          riem sobre a magreza dos súditos
          famintos de realeza?
          riem na entrada
          e riem mais
          - na sobremesa?


          Mas de tanto riem juntos
          por que choram a sós,
          convertendo o eu dos outros
          num cordão de tristes nós?



    ____________________________________

Affonso Romano de Sant'Anna nasceu em Belo Horizonte MG/Brasil - 1937. Poeta, crítico e professor de literatura e jornalista. Ainda pequeno, muda-se com a família para a cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, onde inicia seus estudos e se aproxima da literatura ao frequentar as bibliotecas públicas. Começa a carreira jornalística em 1953, publicando críticas de cinema e teatro no Diário Comercial e na Gazeta Mercantil.
De família protestante, em 1954, viaja por diversas cidades mineiras pregando o Evangelho em favelas, hospitais e presídios. Em 1962 o bacharela-se em letras neolatinas na Universidade Federal de Minas de Minas Gerais e publica seu primeiro livro de ensaios, O Desemprego do Poeta. Organiza, com outros poetas mineiros, a Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, em Belo Horizonte, em 1963.
Em 1964 obtém o grau de doutor pela UFMG, com apresentação de tese sobre o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987). Casa-se com a escritora Marina Colasanti, e em 1970, vai residir no Rio de Janeiro. Ministra cursos na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - e na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Como professor convidado, dá aulas de literatura e cultura brasileiras em universidades da França, Alemanha e Estados Unidos. Assume a presidência da Fundação Biblioteca Nacional em 1990. Um ano depois, cria a revista Poesia Sempre, importante veículo de divulgação da poesia nacional no exterior. É nomeado, em 1995, para o cargo de secretário-geral da Associação das Bibliotecas Nacionais Ibero-Americanas. Também colaborador assíduo da imprensa em toda sua carreira jornalística, escreve textos para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Jornal do Brasil, Jornal da Tarde, Correio Brasiliense e O Estado de Minas. Tem poemas traduzidos para o espanhol, inglês, francês, alemão, polonês, chinês e italiano.
_________________________________
Sant’Anna, Affonso Romano, 1937
Poesia Reunida: 1965-1999 / Porto Alegre, LM&M Pocket – 2004
Apoio biográfico – Itaú Cultural


36 comentários:

  1. Linda poesia e nos faz bem refletir... Há tanto poderosos que riram anos e anos, achando que poderiam enganar pra sempre... Espero que o povo possa rir por último, rir melhor!!! beijos, chica ,lindo fds!

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia Affonso Romano de Sant'Anna; fico sempre maravilhada com pessoas dotadas artística e pessoalmente. O poema escolhido, rico em forma e conteúdo, revela a sua sensibilidade social e a sua irritação perante a desfaçatez com que agem os "poderosos".
    Grata por esta partilha, Tais.
    Bjinho :)

    ResponderExcluir
  3. Amei sua postagem, bem escolhida, reflexão, eis o que há para quem sabe se possa um dia poder sentir que todas as coisas ruins acontecem para melhorar!
    Acabei de chegar de lá do espaço do seu marido, muito bom poema por lá, também nos faz pensar!
    Quem sabe esteja chegando o tempo de passar tudo a limpo, quem sabe?
    Que possamos ainda dizer que valeu todas as limpezas e faxinas, que seja mesmo uma boa faxina e que possa deixar lições!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  4. Os poderosos riem das nossas caras,como se fossemos bobos da corte e assim aceitaríamos as peripécias como eles o faziam para agradarem sua alteza,mas acho que o espetáculo acabou e só nos resta esperarmos para que fechem as cortinas da podridão,dos corruptos e ladrões.
    Que o Pai olhe por todos nós.
    Adorei a crônica Taís.
    Bjs-Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  5. Um excelente poema, uma critica à sociedade de elitista e consumista, de um poeta que infelizmente eu não conhecia.
    Estou de volta amiga.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Um poema emocionante que nos tem muito para dizer! Bj

    ResponderExcluir
  7. LA IGUALDAD SIEMPRE UNA UTOPÍA.EXCELENTE CRÍTICA. GRACIAS POR COMPARTIR.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  8. TAIS
    Amiga, adorei este maravilhoso,
    audaz e corajoso poema.
    Já sabemos de que riem os poderosos. O ministro ri, dos incautos cidadãos que o acreditaram. E os demais, riem da
    pobreza que exploram.

    Felicito-a
    Um beijo
    Alvaro

    ResponderExcluir
  9. De que riem esses poderosos
    Quando, as vezes, estão a sós?
    Acho que não riem de seus gozos
    Porque riem apenas de nós.

    ResponderExcluir
  10. Que poema lindo, cheio de sentimento e reflexões!!!
    Um bom fim de semana!!

    ResponderExcluir
  11. Leio e reflito muito com a obra desse autor que você, Tais, sabiamente, escolheu tal poema que reflete toda a realidade que vemos estampada ante nosso olhar, que se horroriza diante de tamanho cinismo e desfaçatez... Até quando?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Taisinha, por este poema, "De que riem os poderosos", já é suficiente para se saber que AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA é um grande poeta. Claro que melhor será, para os amantes da poesia, que não o conhecem ainda, ler outros poemas do poeta. Affonso Romano sempre participa de muitos eventos culturais, muitas vezes acompanhado de MARINA COLASSANTI, jornalista e escritora de talento, com quem o poeta está casado há algumas décadas. Interessante notar que os temas sociais sempre estiveram presentes na poesia do poeta e na prosa de Marina, sua mulher. Um exemplo dessa preocupação com os problemas sociais é esta poesia, que tu agora publicas, "De que riem os poderosos", um poema digno do poeta. Esse é um poema para mais de uma leitura. Como não gostar?
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  13. Um excelente poema.
    E que não dá nenhuma vontade de rir, porque o tema é bem atual.
    Não conhecia nada do poeta, mas vou procurar mais.
    Bom fim de semana, amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Tivemos - em Portugal - um 1º Ministro muito risonho... As gargalhadas que trocava com os seus Vice-presidentes - mesmo durante as sessões - decerto ficaram nos anais da nossa Assembleia da República. Totalmente subserviente aos ''grandes'' da Europa, espartilhou os portugueses em impostos e numa absurda contenção que paralisou ao máximo a economia...
    Eu perguntava pelos blogues amigos:
    - De que se riem eles?!
    Não conhecia este poema. Como lamento!
    Havia famílias a serem despejadas de apartamentos - que tinham estado a pagar - para outros menores, a fim de começarem um novo pagamento e os bancos a lucrarem.
    Ouço dizer que passam por uma crise tremenda... Avalio-a pela nossa em que o desemprego atingiu proporções inacreditáveis, mas como bem diz, só quem a vive e sente é que pode avaliar.
    Gostei muito do realismo e assertividade deste poema.
    Inteletuais como estes, destemidos, frontais e íntegros são indispensáveis em qualquer democracia, pois são a voz dos que ''não possuem voz na matéria''...
    O Brasil não está completamente pobre, quando tem valores como Affonso Romano de Sant'Anna.
    Querida Amiga, louvo esta oportuna postagem de intervenção cívica.
    ~~~ Beijo ~~~

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, amiga Tais,
    que bela e acertada escolha para postar, para nós, seus leitores.O poeta, AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA, nos deu de presente um poema excelente, uma crítica da sociedade, podemos até compará-lo a Gregório de Matos Guerra, que nasceu em Salvador,em 1636 tinha a alcunha de Boca do Inferno, era advogado." De que riem os poderosos",reflete o que vivemos hoje. Obrigada por compartilhar conosco, Tais! Beijos!

    ResponderExcluir
  16. En mi opinión, a mi me parece que los poderosos se rien muy poco: no es gente alegre como podría pensarse sino muy amargada por la desmedida ambición: cuanto más tienen, más desean. No dejo de reconocer que el poema sea muy bueno. Gracias por compartirlo.

    Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  17. Mais um autor para mim desconhecido, e que adorei descobrir, por aqui...
    De que riem os poderosos?... Talvez riam da miséria que causam... para seu próprio benefício... no entanto... um dia sempre acabam encontrando outro poderoso... que se ri mais do que ele... e que se acabará por rir dele...
    Eles enganam-se e esganam-se a eles mesmos, entre si... um dia o seu império acaba por cair...
    Por cá... isso vem acontecendo com políticos e banqueiros de renome...
    E calculo que por ai... face aos últimos acontecimentos... envolvendo o Presidente... a coisa também não seja muito diferente... um pequeno exemplo... de que também o reinado dos poderosos... na maior parte das vezes... também não dura para sempre...
    Beijos, Tais! Bom domingo!
    Ana

    ResponderExcluir
  18. Buena reflexión poética.
    Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  19. Ótimo texto do Affonso Romano de Sant'Anna - Grande poeta brasileiro!
    Aproveito o comentário para te responder a pergunta que você fez no meu blog. Eu e a Musa somos vegetarianos mas, eventualmente comemos peixe. A nossa saúde de um modo geral melhorou muito. Tomamos suco verde com sementes germinadas todo dia, é uma maravilha! Um grande abraço, Loyde manda beijos

    ResponderExcluir
  20. Oi Taís minha querida amiga
    Espetacular a sua escolha para este momento que estamos vivendo em nosso país.
    A política esfacelada, os governantes desmascarados e o povo bombardeado pelo caos que os afoga até o fundo do poço. De que riem os poderosos?? Talvez da nossa passividade, da nossa cordialidade por aceitar o sofrimento e não procurar alternativas equânimes que possam tirar o país desse caótico embuste
    Uma semana de paz e bênçãos. Beijos! ¸.`★•¸.`★•¸.♥♥♥♥♥

    ResponderExcluir
  21. Olá Taís!
    Sempre li muito o Affonso. Aqui uma de suas inspirações sócio-politica de bela triste realidade e que nos parece irreversível. Como se para nós ela fosse sempre atual.Uma ótima partilha para ilustrar o terrível momento que passamos e que o brasileiro ainda assim faz piadas sem imaginar que nisso tudo pode haver um retrocesso da democracia. Chega ser nojento o que despejam os delatores com cara de bonzinhos.
    Sua ilustração está ótima Taís.
    Grato por trazer este maravilhoso escritor numa especie de engajamento perfeito.
    Uma semana maravilhosa de menos susto.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  22. Bom dia Taís! Este poema contundente e crítico de Affonso Romano de Sant'Anna, é muito apropriado para estes tempos...
    A imagem é comovente.
    Uma boa semana, minha Amiga.

    ResponderExcluir
  23. Acho que eles riem por instintivamente saberem que seus risos têm os dias contados. E ri melhor quem ri por último.

    ResponderExcluir
  24. Sabe o ditado "quem ri por último, ri melhor", espero ansiosa por isso...

    Bjs e ótima semana querida.

    https://palavrandoels.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Cara amiga Tais, bem lembrado, pois o Romano é um erudito; talentoso poeta e jornalista conceituado.
    Um abração. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  26. Querida Taís,ótima escolha é bem o retrato esculpido e encarnado dos políticos do nosso país esse poema, e pobre de nós com tudo isto acontecendo. Parece que estamos sob uma avalanche de detritos caindo sobre nossas vidas!
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  27. Pienso Tais que el hermoso poema fue seleccionado por ti en referencia a la realidad política de tu país, la que cada día nos da sorpresas de asombro.

    Un beso austral.

    ResponderExcluir
  28. Olá Tais!
    Bem amiga, este poema é um deslumbramento. Não conhecia o poeta. Vou pesquisar.
    Quanto à foto, uma vez mais escolheste a perfeita - dói só de olhar.
    Para ver, ler e reflectir.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  29. Riem os poderosos, enquanto o povo chora, mas, felizmente, muitos já tremem e de certeza que estão a perder o sono. Cada dia, Tais, chega uma novidade mais " suja " que a anterior, mas acredito que depois desta limpeza vai nascer um outro Brasil. Amiga, obrigada por nos dares a conhecer este senhor; não o conhecia. Beijinhos e tudo de bom!
    Emilia

    ResponderExcluir
  30. Se estou bem, o RESTO que se dane! Eis aí o lema de muitos poderosos que, atualmente, principalmente aqui no Brasil, rastejam a procura do poder que em função da ganância, da desonestidade e da falta de vergonha, os abandonou.

    Belo poema do grande Affonso Romano Sant'Anna. Ótima escolha! No dia 13/03/2012, postei um poema dele no Arte & Emoções, conforme abaixo:

    FASCÍNIO
    Casado, continuo a achar as mulheres irresistíveis.
    Não deveria, dizem.
    Me esforço. Aliás,
    já nem me esforço.
    Abertamente me ponho a admirá-las.
    Não estou traindo ninguém, advirto.
    Como pode o amor trair o amor?
    Amar o amor num outro amor
    é um ritual que, amante, me permito.

    Beijos, muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  31. NÃO O CONHECIA, VOU PROCURAR POR MAIS DE SEUS POEMAS. ESTE É MUITO BOM E BEM DE ACORDO COM NOSSO MOMENTO. GRATA PELA PARTILHA. BJS

    ResponderExcluir
  32. Boa tarde, porque se riem os poderosos? o seu rir é pelo seu poder com obtenção de benefícios pessoais sem responsabilidade para com os outros, ignoram o povo, ignoram que todo o ser humano tem o direito há dignidade, governar é ser responsável pelo bem estar do povo, criar politicas essenciais como as sociais, educação, habitação, saúde e justiça para o mesmo, não existe democracia sem constatação, o povo tem dever de contestar e de responder nas urnas com o seu voto.
    Torna-se incompreensível como é que o Brasil com uma população de mais de 200 milhões, uma riqueza natural das mais ricas do mundo, com políticos sérias pode ter uma economia das mais fortes do mundo ao serviço do povo, ao contrario tem umas das maiores percentagens de extrema pobreza.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
  33. Oi, Taís Luso, boa noite !
    O questionamento do Poeta arranca, de
    minhas entranhas, uma única resposta:
    Eles riem enquanto podem, ou são
    permitidos...
    Belo texto, muito oportuno para o momento.
    Um carinhoso abraço e grato por compartilhar.
    Sinval.


    ResponderExcluir
  34. Tais, a pouco postei em blog coisa parecida: "Quem deve a Deus, paga (não se pode usar o futuro ou condicional) ao diabo. Veja a sensibilidade do grande poeta - riem, mas à apoteose da ópera, choram sozinhos como choram os desgraçados. "A toda ação corresponde uma reação igual e contrária em direção e de mesmo sentido." Belíssima postagem! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  35. Abres tantos interrogantes con este poeta que no conocía y que tan bien da en la diana, que me gustaría tener respuestas para todos. De lo que sí estoy segura es que los personajes que nombra, de mística, nada. Terrenal. Y ya es mucho decir.
    Besos, Tais.

    ResponderExcluir
  36. Belo esse poema, já conhecia.
    ... quem ri, por último, ri melhor!

    https://blogloveinred.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso