28 de outubro de 2017

O MUNDO EM QUE VIVEMOS


           
            - Tais Luso

Minha caixa de e-mails lota com mensagens de paz, de solidariedade, de amor. Aqueles 'PPS' bonitos. Será o mesmo mundo em que vivo? Gostaria, mas não é o mundo em que vivo. Meu mundo, na primeira  encrenca, o sarrafo já desce, os afetos vão para o brejo e mergulhamos no mundo das críticas. O meu mundo tem incêndios criminosos, tsunamis, ódio, crimes, invejas, retalhações, corrupção, escravidão, terrorismo... E tudo vemos através das telinhas.  Quanta ternura e tolerância recebemos em forma de mensagens, um mundo que daria gosto em morar! No meu mundo real também tem um pouco de amor, mas não o suficiente para ser tão belo como essas mensagens que todos internautas recebem.
Na verdade, no meu mundo as pessoas perderam a confiança umas nas outras. Tornaram-se seres desconfiados e agressivos.
No meu mundo as pessoas se matam, se explodem em nome de religiões, futebol e ideologias. Poderíamos ter mais tolerância: se for ótimo para alguém ser cristão ortodoxo, evangélico, ateu, espírita, budista ou maçônico... maravilha! Está fazendo bem pra você, vá lá meu irmão, e seja feliz! A vizinha gosta de assistir programas de televisão apelativos? O que temos eu e você a ver com isso? A casa é dela, a televisão é dela! Como é bom evitarmos bate-bocas. Ou indiretas.
No meu mundo as diferenças físicas incomodam,  o bullying massacra, mata ou deixa marcas. No mundo em que vivo, somos cobrados pelas nossas posturas, ideias e comportamentos. Quem tem ideias incomoda;  quem não as tem, também incomoda; se brigamos, somos tiranos; se deixamos as coisas rolarem, somos um bando de bundões. É difícil acertar o passo.  Ser autêntico não nos dá nenhuma imunidade de ficarmos fora do rolo, porque ser autêntico também incomoda. E as vezes bem mais.
Então é de perguntar: mas o que 'não' incomoda? Nada, no meu mundo não existe essa paz. Está na genética dos humanos serem metidos e encrenqueiros, embora possamos ser, também, alegres, afetivos, solidários e amorosos.  Mas não é a regra principal. A regra mais forte é sermos juízes, é uma característica da nossa espécie, julgar!
Por tudo isso, tenho lido belos poemas, todos cheios de graça, de sonhos e saudosos da infância. Significa que queremos resgatar um mundo mais feliz.
E contudo, outorgamos a outras pessoas, através do voto, todas nossas vontades, carta branca para agirem em nosso nome, mas acontecem  coisas muito estranhas, fazem tudo às avessas. Mas guardo  esse sonho para as gerações futuras: que possam elas viver num país liberto e reconstruído na sua essência e na sua lisura. 
Nada mais. 

___________________________________



48 comentários:

  1. O mundo virtual é um mundo se fantasia, um conto de fadas. Não tem nada a ver com aquilo que vivemos dia-a-dia.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elvira, o mundo virtual que conhecemos hoje não é mais o mesmo do passado. Hoje vemos nas redes sociais e no YouTube tantos horrores da 2ª Guerra Mundial como, também, os fugitivos da Síria, cujo exemplo maior foi uma criancinha morta na praia, recolhida por um soldado. Está cheio de atrocidades, o terrorismo é constante! E tudo sabemos.
      O que falei foi nas mensagens 'fantasiosas' que recebemos, como se vivêssemos um conto de fadas!
      Beijo!

      Excluir
    2. E era a esse mundo virtual, que me referia amiga Tais. Ao das mensagens, ao das fotos no FB, ao de festas e férias e roupas glamorosas e de belos restaurantes onde se vêm as melhores iguarias, em fotos de todos os tamanhos.
      Não me referia aquele que reflete o mundo real, e as notícias do que vai pelo mundo. Esse a grande maioria das pessoas não quer ver. É um pouco como as minhas histórias. Quando eu escrevo uma história, que conta o drama de alguém que vive com um doente de Alzheimer e que chega ao ponto de não suportar mais o sofrimento e acaba com a vida dos dois, os meus leitores me caem em cima e me dizem que histórias assim não têm interesse.
      Abraço

      Excluir
  2. Oi Taís,
    Depois de tantas verdade no final ironizou o nosso Brasil. Bravo!
    É por isso que gosto de você.
    Eu faço algumas poesias para me alegrar e acabo me sentindo uma idiota, mas é isso que o povo gosta, tapar com vendas os olhos.
    Hoje botei pra quebrar, apesar das minhas dores.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  3. Neste mundo é que vivemos

    Porque neste mundo há tantos desatinos
    Os quais nos remetem remexer no passado
    Vendo-nos no presente como peregrinos
    Pois assim por esta vida temos andado.

    Da felicidade fazemos apostolado
    Certa exaltação a “dolce vita” vira hino
    No nosso rosto aquele sorriso engessado
    Dalgum viver feliz, leve, solto e ladino.

    Mas uma vida verdadeira, sempre fede
    Mesmo que a velha pílula seja dourada
    Há espaço para dor, sofrimente e tédio.

    E cada qual seus resultados então mede
    Que na soma algébrica, resulta em nada
    Porque para o mal da vida não há remédio.

    ResponderExcluir
  4. Seria bem bom se toda positividade das mensagens tivesse lugar na vida...Tentamos e não conseguimos e se pensarmos nos que nos representam,vem ganas e instintos que nem sabíamos ter...

    Um mundo louco...beijos praianos,chica

    ResponderExcluir
  5. Tais,

    certeira, minha amiga! sempre...
    probleminha maior é que tantas vezes se julgam intenções
    e não os factos.

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Um mundo de sobrevivência em que pouco se respeita o verdadeiro EU!!!bj

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Tais
    Vivemos em um mundo de desrespeito, falta de limites, ganância e por aí vai.
    Excelente o seu texto!
    Agradeço a gentil visitinha ao meu blog.
    Um grande abraço de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  8. Todo lo que dice es cierto y es también la constatación de una realidad desoladora. Bien, será una bobada pero a mi se me ocurre una propuesta:

    Veamos, es cierto que hay personas llenas de buena voluntad, de altruismo, con deseos de hacer felices a los demás, que quieren a las personas, que hacen lo que pueden para que todo el mundo viva en paz y se sienta feliz y estimado, existen porqque algunas de esas personas están en contacto con usted. Recibe de ellas atenciones y los mejores deseos, pues bien, son estas personas buenas las que tendrían que estar al frente de los gobiernos del planeta y entonces, nuestra vida sería distinta ¿por qué no creamos un partido de personas buenas, honradas, amables y que amen la vida y al prójimo? Sabemos que existen.

    Es posible que el problema sea que esas personas por pura bondad no se crean capaces de gobernar el mundo. Hay que tratar de convencerlas.

    Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  9. Querida Taís, amei sua crônica e concordo com sua reflexão . Existem pessoas até mesmo conhecidas da mesma cidade, nos enviam mensagens lindas, votos de felicidade e quando passam por nós ignoram, Se nós falarmos um oi! faz que não nos conhece. Outras nos adicionam e nunca deixam nem um oi. tem de tudo nessa vida e pessoas com todo gosto e personalidade. Fazer o que! Realmente se o mundo real fosse como o virtual existira mais amor.
    Querida, muito obrigada pela visita e o comentário que deixou na postagem do Poetizando. tem muitos participando e lindamente. Com certeza o beija flor voou longe. Obrigada, comentando também é uma forma de participar, seja bem vinda! Abraços, seja muito feliz.

    ResponderExcluir
  10. Taís,tomara que o nosso mundo no futuro seja outro e não tenha tanta violência e pessoas de caráter dúbio.
    Quem sabe o nosso mundo,digo todo o mundo,não só o Brasil,tenha mais respeito com o próximo e amor,isso está faltando para que seja um mundo maravilhoso.
    Bjs e um bom final de domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  11. " Nada mais " também digo eu e também digo que é tão pouco o que quero, tão simples de realizar, mas, sinceramente já não acredito. Sou pouco ou nada sonhadora, mas esse teu " querer " é o único sonho que me tem acompanhado e, embora aquele video ( no Começar de novo ) nos incentive a não desistirmos, confesso, desisti dele e sabes porquê? As crianças que pomos no mundo é neste nosso mundo que estão a crescer, a fazerem-se gente e, à medida que vão percorrendo o caminho, vao, como nós, sentindo-se impotentes, prrante tantos poderosos que nos comandam e que nos " trocam as voltas " . Como nós, também eles vão tentar manter a paz e o respeito dentro de quatro paredes, na comunidade em que vivem e junto daqueles com quem convivem, seja no pais deles seja noutro qualquer; como nós, umas vezes conseguirão, noutras sentit-se-āo tão decepcionados que mesmo aí, deixarão de conviver isolando-se cada vez mais. Amiga, por todos esses aspectos que enumeras eu cada vez me isolo mais, deixo de procurar determinadas pessoas porque as desilusões têm sido tantas que fui perdendo a vontade de as contactar. Eu não sei se alguma vez te disse, mas o meu filho de vez em quando fala " mãe, cada vez gosto menos de gente " ; não gosto de o oivir a dizer isso, mas tenho de concordar que ele tem razão e que, apesar de se novo, consegue ver que as pessoas cada vez estão mais julgadoras, mais preconceituosas, mais frias e ausentes; os afetos foram-se e a solodariedade só existe quando há uma catástrofe e mesmo assim há sempre alguém que se aproveita e leva para casa aquilo que foi dado para ajuda dos que ficaram sem nada. O ser humano não aprendeu nada com as atrocidades do passado e elas coninuam aí todos os dias. Soubeste dos incendios aqui em Portugal, com mortes e muita devastação nas casas, agricultura e empresas; não se fala noutra coisa nas noticias, com propostas, programas e estudos para que nada disto volte a acontecer, mas.... não tenho fé nenhuma nestes propósitos, amiga; O inverno está à porta e os incêndios vão acabar, mas, se a Primavera for quente logo eles recomeçarão; isto já é uma máfia dos incêndios, muitos interesses económicos estão por trás e, enquanto não tiverem coragem de acabar com isso, os incêndio não terminam. Mas os poderosos não se unem? Não protegem os interesses uns dos outris ? Claro que sim e, infelizmente nós, os pequenos nada podemos fazer a não ser ir para as ruas; vamos, mas logo tudo é esquecido e nada muda. Tais, praticamente não recebo dessas mensagens maravilhosas porque deixei de as abrir; não combinam com a realidade e resolvi esquece-las. Hoje só mando mensagens para amigos quando preciso de falar com eles e em geral coloco no assunto " Olá amiga " para que saibam que é melhor ler. O resto, Tais, pago. Se quiser ver beleza, vou à janela e olho o belo jardim que tem em frente do meu prédio, mas tenho que ter cuidado, porque se desviar muito o olhar já sou capaz de ver um mendigo ou um sem abrigo dormindo na rela debaixo de uma árvore.
    Amiga, já me alonguei muito, mas muito mais haveria a dizer se estivessemos sentadas à mesa de um café; o assunto é muito pertinente e agradeço por teres trazido essa reflexão a todos nós, mas...é melhor ficar por aqui para não te aborrecer muito; qualquer dia dás-me um puxão de orelhas!!! Beijinhos e boa semana!
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem por aí uns errinhos e vou corrigir... apago, outros, solidariedade, perante, ouvir, Desculpa amiga e, se descobrires mais algum, por favor corrige. Obrigada
      Emilia

      Excluir
    2. Não te preocupes, são erros de digitação. A ideia está ótima, tudo 100%, querida amiga.
      Beijo! Falamos.

      Excluir
  12. É isso Taís, algumas semanas atrás, o Pedro Luso nos brindou com uma poesia sobre um lugar bom para se viver com titulo de PLANETA MELHOR PODE EXISTIR e agora lendo sua bela e critica cronica eu me pergunto, onde podemos viver em meio à tantos desmandos e destemperamento? Às vezes fico a pensar, o que se passa neste nosso mundo, onde nada se sintoniza, nem se liga para uma massa ideal homogênea de sentimentos puros. Perdemos sim Taís todos os encantos e os que nos vendem barato no mundo virtual é tão volátil como o éter. Nosso pensar virou arma se este não está com o que o outro pensa, aí viramos coxinhas, quibes, intolerantes e outras coisas mais. Não há mais liga amiga e o bolo só pode solar na falta do calor humanos a muito perdido.
    Uma semana com paz cá dentro de nós, para suportar a carga diária.

    Meu terno abraço.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  13. Olá Taís, concordo com seu pensamento, a impressão é que são mensagens advindas de outras terras, pq aqui por ora vivemos mais terror que paz! Quiçá, num futuro remoto? alguém possa desfrutar desse paraíso em telas mensageiras;
    Desejo abençoada semana com muita paz!
    Bjsss!

    ResponderExcluir
  14. Existe um mundo lá fora
    E há um, dentro de mim.
    Do meu, eu estou afim,
    Do outro o meu ser deplora,

    Mas a razão, sem demora
    Mistura os dois e por fim,
    O meu mundo é mesmo assim
    O mesmo mundo onde mora

    A alma e a mente minha
    E uma não vive sozinha
    Sem a outra no meu mundo.

    E eu vejo, então, uma linha
    Que um mundo ao outro alinha
    E ambos é um só, no fundo.

    Entenda o mundo, Tais!... É um mundo de contradições. O importante é ternos nosso mundo interior e vivê-lo com muito amor. Vida interior é por demais interessante. Com o exterior a gente convive trocando comunicações e interesses - é próprio do animal humano. Parabéns pelo maravilhoso texto. Abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  15. Uma crónica cheia de lucidez, minha querida Amiga. O mundo está cheio de contradições porque o ser humano é contraditório. Há que cultivar a fraternidade e a tolerância. Afinal só a solidariedade pode salvar o mundo.
    Uma boa semana, Tais.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde, a imaginação é aquilo que não conseguimos ter, também imagino viver num mundo melhor, até lá, só me ofende quem eu quero, só me agride quem pode, só me aceita quem quiser, não sou de ideias fixas, mas também, não tolero quem vive sem respeito pelos outros, a partilha é perfeita, está cheia de razão na denuncia deste mundo repleto de gente arrogante e exploradora.
    feliz semana,
    AG

    Com o mundo pouco te importas
    Porque julgas ver direito.
    Como há-de ver coisas tortas
    Quem só vê em seu proveito?

    ResponderExcluir
  17. Há, como vc escreve bonito...
    Adoro ler como quem ouve uma
    história.

    Beijos, só vim para banhar minha
    alma em suas palavras.


    .

    ResponderExcluir
  18. Pois cara amiga Tais, eis um mundo contraditório: o ser, em determinados momentos, posando de polido, humanitário, civilizado, mas logo após apresentado o lado inescrupuloso, sórdido, criminoso...
    A verdade é que ainda necessitamos evoluir muito!
    Um abração. Tenhas uma boa semana. Que o feriado não seja chuvoso. né!

    ResponderExcluir
  19. A língua dos muros é sempre mais fácil. Na danação da estrada o olhar é outro. Também recebo, mal abro os olhos tais mensagens. Abarrotam-me as primeiras horas manhã. Já não leio. O que não falta é contradição no ser humano. Mas bola pra frente, que meu time já entrou no campeonato sem chance alguma, mas mantenho o meu fervor, a esperança. Não é possível que vejamos uma civilização melhor. Pelo menos um país melhor para s próximas gerações. De uma coisa tenho certeza: a tua solidariedade é prá valer. Nas pequenas ações é que conhecemos os outros.
    Uma boa semana, amiga!
    Afetuoso abraço,

    ResponderExcluir
  20. Amiga, vim agradecer sua visita que amo e o comentário que deixou. Obrigada de coração! Tenha uma semana feliz, com muita saúde e paz, junto aos seus familiares e amigos. Beijos no coração.
    Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  21. Boa noite querida Taís!
    Linda postagem, parabéns!
    Vim agradecer sua vista e o comentário que fez. Amo sempre quando passas lá é gratificante, obrigada! Seja sempre bem vinda!
    Abraços, tenha uma semana feliz.

    ResponderExcluir
  22. Minha amiga como sempre uma crónica brilhante.
    Seria bom vivermos num mundo onde imperasse a paz, o amor e respeito pelo próximo, mas infelizmente isso parece ser apenas uma utopia.
    Boa semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  23. Como cantava John Lennon, You may say I'm a dreamer, but I'm not the only one.

    ResponderExcluir
  24. Pois é. Eu também comentei
    sobre o que você falou na
    minha página e como eu não
    sei calar a boca, falei pelos
    cotovelos.
    (adorei sua presença lá).
    Um beijo e, parabéns pelo
    texto exposto.

    Obrigado.

    .

    ResponderExcluir
  25. Com certeza, serei julgado como um louco, mas acredito que a solução esteja na criação de num NOVO MUNDO. Rsrs. Como sempre, uma bela crônica Taís.

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  26. Veja você o tamanho da nossa sincronicidade, estava discutindo em família, hoje na hora do nosso almoço, sobre essa agressividade latente e a que vivi ha pouco tempo e que relatei numa cronica. Concordo com você, essas doces mensagens que recebo, cheias de coraçãozinhos não condizem com a nossa realidade, é um sonho que aliás nunca foi realidade nem no passado, que dirá agora. Parabéns pela crônica, amei.
    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  27. Taisinha, gostei muito da tua crônica "O mundo em que vivemos", com a realidade dos dias atuais, com as pessoas de todas as idades se comunicando por meio da Internet (as cartas escritas já são coisas do passado). Por isso não são poucas as pessoas que se sentem incomodadas pela quase ausência das conversas amigáveis, pessoalmente. Lembro-me de meia dúzia de homens velhos, que frequentam um restaurante, na cidade de Canela, onde almoçam e depois ficam algumas horas conversando e bebendo vinho ou cerveja, em meio às suas risadas. Esses homens certamente não são adeptos ao Smartphone e às telinhas do computador. É possível que esses homens de Canela não tenham perdido a confiança nas pessoas, se nos filiarmos à corrente freudiana que entende que projetamos nas outras pessoas o que temos no nosso interior Mas adiante não vou, até porque está tudo nessa belíssima crônica. Gostei muito. Parabéns!
    Um beijinho, minha querida, daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  28. Oi, Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Que colocações incontestáveis...
    No momento em que vivemos, não temos opção.
    Amarga e insuportável realidade.
    Um fraterno abraço e uma ótima semana, Amiga.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  29. Lamento muito, Taís.
    Há muito que sonho para o Brasil, um líder impoluto que organize,
    com um máximo de seriedade uma luta tenaz e intransigente pela
    defesa de valores de elevado comportamento social.
    Porém, todos devem fazer a sua parte...
    Ainda não percebi por que ninguém festejou ontem o Dia Nacional
    da Poesia...
    Grande Abraço, Amiga.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  30. TAIS,

    "Está na genética dos humanos serem metidos e encrenqueiros..."

    Definitiva sua afirmação e com a precisão cirúrgica desta verdade vinda de uma intelectual como você, nada mais a acrescentar Taís!!!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  31. Oi Tais,
    E quem é o culpado de tudo isso lá trás. Não sei, só sei que gasto muito em remédios e parecem que estão colocando farinha, pois nem a dor tira.
    Se você for mandar analisar, mama mia haverá enterro no outro dia.
    Daqui uns anos seremos um bando de mudos.kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  32. Boa noite amiga! Hoje vim agradece sua visita, dizer que amei o comentário. Amo suas visitas e vir aqui apreciar suas maravilhosas postagens. Hoje voltei a trabalhar a licença proêmio acabou e agora é esperar as férias. Ou se antes das férias marcar a cirurgia. Alguns amigos e amigas me perguntam, “Por que ainda na ativa como professora?” Quando fui admitida no concurso já estava quase me aposentando da rede municipal. Dessa forma, ainda não tenho tempo de contribuição. Me aposentarei daqui a cinco anos! Haja tempo para a idade que estou. Mas só agradeço a Deus por tudo, e amo o que faço.
    Quanto as minhas visitas farei de tudo para sempre retribuir com todo carinho.
    Deus é nosso Pai e sabe o tempo certo para tudo na nossa vida.
    Lhe desejo uma noite de paz e um amanhecer feliz, com muita saúde. Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  33. Llevas razón. vivimos en un mundo que nada tienen que ver con los mensajes recibidos que pregonan la bondad, solidaridad, amor entre las personas. Pero eso también es realidad. Las atrocidades y el horror nos lo meten por los ojos a través de los medios de comunicación. Eso también es realidad. Habrá que hacer la media entre una y otra y tener una mente más que crítica para valorar la realidad y la vida. Difícil cuestión.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  34. Gran reflexión, amiga Tais. Quienes muchas veces dirigen nuestros destinos, no son los más idóneos.

    Cariños australes.

    ResponderExcluir
  35. Sei que seja diffícil mas temos de continuar a crer num mundo melhor
    abraço

    ResponderExcluir
  36. Boa tarde Tais, passei um tempo fora da blogosfera, mas estou retornando e adorei essa crônica bem real, como todas que você redige, e que mostra uma angústia presente em nosso ser, um sonho de um mundo mais humano, mais partilhado e justo. As mensagens otimistas que lemos deveriam ser postas em prática para que as maldades desse mundo se transformassem em bondade e justiça.
    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  37. Boa tarde Tais,
    Que texto lindo falando de uma realidade que nos atordoa.
    Seria excelente que o mundo estivesse em paz, repleto de pessoas solidárias!
    Só nos resta mesmo esperar que as gerações futuras venham a usufruir de um mundo melhor.
    Beijinhos e bom fim de semana,
    Ailime

    ResponderExcluir
  38. Um texto bem assertivo, que subscrevo na integra, Taís!
    Vivemos num mundo em que somos juízes e carrascos um dos outros... enquanto se faz pose, com boquinha de truta, para uma qualquer forma de tecnologia... querendo parecer um qualquer ser angelical... anjos por fora... com demónios por dentro... assim vai uma grande parte da humanidade... neste nosso estranho mundo em que vivemos...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  39. Boa tarde, Tais, sua crônica reflete bem o momento em que vivemos, todos estão com os nervos a flor da pele, qualquer ato falho já estão descarregando palavrões e quando não vêm acompanhados de violência física.As mensagens recebidas nos mostram um mundo à parte, parece que não vivemos no mesmo mundo.Porém, creio que algum dia, tudo se normalize e voltemos a ser da paz. beijos!

    ResponderExcluir
  40. Assim também sinto, e para ser sincera não gosto muito destas mensagens prontas que são enviadas automaticamente. Viver e conviver, gosto deste lema. Muito real a sua crônica. Bjs

    ResponderExcluir
  41. Taís:
    el mundo siempre ha sido un lugar lleno de odio, pero también hay espacio para la esperanza. Cultivemos nuestro jardín, esperando que el ejemplo se extienda.
    Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  42. Olá Tais!
    São muitas as mensagens de paz, amor, solidariedade que circulam na net, mas, pelos vistos, não bastantes para tornar o mundo melhor. O teu mundo, amiga, está como o meu: doente!
    Sim, “queremos resgatar um mundo mais feliz”, mas … ficamo-nos pelo querer.
    Excelente crónica!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  43. Boa tarde Tais.
    Lendo as suas belas cronicas que na minha ausência não pude ler. Uma belíssima cronica. É amiga o mundo está de cabeça pra baixo. Muitos valorizam coisas fúteis e se esquecem ou se distanciam de um único sentimento que faria o mundo melhor. O amor. Há como seria bom se uns amasse o próximo como a si mesmo. Não existiria tanta crueldade no mundo, roubos descabidos, traições, seriam pessoas agindo com respeito e amor uns aos outros. Já imaginou amiga um mundo desses ? As pessoas julgariam menos, ajudariam mas, e viveríamos ate com menas desigualdade social. No mundo que vivemos sabemos que vamos sair para nós distrair e nem sabemos se voltaremos sã e salvos. O mundo está tão violento, que é impossível não agirmos com cuidado. Pois apreendemos que ate um ato de ajudar, pode custar a nossa vida. Um lindo domingo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, querida Mirtes, até o ato de ajudar as pessoas (que não foram atacadas) saem baleadas e morrem. Eu presenciei um assalto na rua, um roubo de um carro, o ladrão lutando com uma mulher para arrancar-lhe a chave do carro e todos parados, olhando à distância, com medo de serem baleados! Ela saiu indignada, mas e se alguém morresse ao tentar segurar a criatura com um 38? Não sei o que dizer...
      Beijo!

      Excluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís