6 de agosto de 2018

OS ANIMAIS - NOSSOS FIÉIS AMIGOS



         - Tais Luso

Há tempos li um texto, num de nossos jornais, no qual um jornalista contava o rebu que se formou por ele ter escrito sobre os cães de estimação, alguns soltos nos parques. Sua caixa de e-mails explodiu! Talvez ele tenha abordado o tema com pouca sensibilidade. Diz que nunca havia tido esse tipo de reação com outros assuntos.
Bem, logicamente que não se deve atacar os cães ou qualquer tipo de animais; seus donos, os cachorreiros, sabem defender seus animais. Contou que  falar mal dos cães supera qualquer papo sobre futebol ou política, e aquele gesto causou uma revolução e um grande descontentamento entre os cachorreiros.  Eu também não gostei.
Estou sentada em frente ao monitor, olhando a tela branca e escutando ‘Serenade de Schubert, por Nana Mouskouri -, certas músicas me emocionam, e me ajudam quando preciso escrever com o coração.
Em geral, quem tem um animal de estimação tem para onde canalizar sentimentos e tristezas. Nossos animais não nos ofendem, são mais que amigos, nos mostram o quanto nós, os humanos, somos mal resolvidos. Mas temos excelentes qualidades, nem tudo está perdido - ainda. Mas somos muito complicados, quase indecifráveis diante de tantas aberrações por esse mundo afora. E, dado a isso,  faço uma série de indagações:
Como sermos  felizes se somos rotulados de loucos por pensarmos diferente? Como sermos felizes se somos tachados de egoístas por cuidarmos mais da nossa vida, e o pouco que estendemos nossas mãos,  somos rotulados de intrometidos ?
Como ser feliz  se muitas vezes somos vistos como irresponsáveis ao conduzir nossa vida com leveza e simplicidade? Como ser feliz se somos vistos como ‘linha dura’ em defesa da moral e da ética  familiar?
Onde moram a amizade, o afeto e o respeito entre as pessoas? Silêncio não magoa. Por isso queremos tão bem os animais. Como é bom, em momentos tristes, termos nosso  fiel amigo de 4 patas com uma carinha amiga e silenciosa! Mas até isso está difícil numa sociedade violenta, que anda perdida e que tudo rotula.
E eu aqui, escutando esta música, abro minha alma na ânsia de obter respostas para encontrar um sentido para uma vida tão efêmera. Debato-me! Olho ao meu redor e o que vejo? Violência, medo, dúvidas, insegurança. Mantenho viva, ainda, a esperança de que um dia teremos de volta o nosso país. Aquele país que já foi berço do nosso orgulho.
Não sabemos nada de concreto, a não ser que um dia vamos 'parar'
Então, caro jornalista, entendo a sua caixa de e-mails lotada! Mas os animais continuam os mesmos, nós é que mudamos, que estamos destruindo valores e vidas. Nós é que precisamos de muito; eles só precisam de amor. Por isso você não entendeu esse alvoroço todo na sua correspondência, em defesa dos animais. Também junto-me ao grupo de protesto. Pegou mal!  Nossos animais são  membros da nossa família.


 'Serenade de Schubert', por Nana Mouskouri 





41 comentários:

  1. Agora é crime maltratar um animal. Mas muita gente ainda não tem essa consciência! Amei o texto!


    Beijo e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, querida amiga Taís!
    Que lindeza de música!
    "Certas músicas me emocionam, e me ajudam quando preciso escrever com o coração".
    Verdade absoluta para mim tambem, amiga.
    Amo certas melodias assim serenas e o coração necessita de paz na alma para edificar os leitores depois de nos preencher necessidade de elevação da mente e do coração naturalmente.
    Sobre animais, escrevi aquela dos animais que você até participou e foi uma das mais comentadas naquele blog de amizade... fiquei impressionada como falar dos animaizinhos agrada a tanta gente humana.
    Fico sem entender porque chamam certos seres humanos de animais, sinceramente!
    Eles são tão sensíveis... não se pode mesmo comparar... choram e riem com a gente. Tive animaizinhos e foi uma época muito feliz da minha vida pois eles alegravam muito meu coração. Pela manhã, ao longo do dia, eu os cuidava... Ter filhos que gostem deles me fizeram tê-los. Eu só os tive quando me aposentei. No máximo, peixinhos, antes, em aquario caseiro por causa do filho mais velho...
    Gosto de como escreve e as músicas a inspiram com ternura imensa nas letras.
    Parabéns, amiga!
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Adoooooooooooooooooro animaizinhos e há 2 anos que nossa CUCA se foi, bem velhinha e ainda parece que temos que ver sua carinha linda ao nosso lado aqui em casa. É séria essa relação!
    Eles não incomodam, não fazem campanha eleitoral, não dizem baboseiras nas tvs ou redes sociais...

    Prefiro muito mais os animais do que esses ANIMAIS de 2 patas que andam por aí e de repente teremos no comando do nosso pobre e maltratado pais!

    beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Sensibilidade. Gentileza. Empatia... E muitos outros valores se perderam nesse mundo competitivo. Doçura, então? Nem 'diet' se encontra para conosco. Imagino para com os animais? Vamos de "Schubert" ou de "Soothing Relaxing Harp Music" que ouço no momento. Refaz-me das imbecilidades humanas. E, nesse tempo eleitoreiro é uma aberração total.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Como dizia uma miga, "dão tanto e pedem tão pouco em troca".
    Quem não perceber isso, não tiver essa sensibilidade, quase de certeza não é boa pessoa.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Hermosa voz y gran melodía , se conmoverá el mundo de hoy con estas sencillas cosas que alimentan el alma y acrecientan los bellos sentimientos con lo que todos compartimos bajo un mismo cielo ???
    Gran mensaje y bello sentir Tais
    Abrazo

    ResponderExcluir
  7. ADOREI o olhar!...e a partilha bem interessante!
    Comigo viveu uma cadelinha durante 17 anos ... uma pequenita companheira que ainda hoje desperta em mim a SAUDADE!!!bj

    ResponderExcluir
  8. O melhor amigo

    Quando correndo, radioso o vejo,
    rabo balançando como um sorriso
    e saltitando sob qualquer ensejo,
    me pergunto se cachorro tem siso.

    É pergunta maldosa de sobejo,
    pois o cão traz em si um paraíso;
    alegria e festa num lampejo,
    e, mais que nós, um especial juízo.

    Pois é, somente amizade, aquela
    que, as vezes se faz como trovão
    Porém, que ao ser humano se atrela.

    Pois bons companheiros, eles nos são
    e só nos deixam por uma cadela,
    porque não nega sua classe o cão.

    ResponderExcluir
  9. Afeiçoamo-nos aos animais, ao ponto de se sentir bastante a sua perda, mas também sou daquelas pessoas que não gostam de ver os cães nos jardins ou na praia a fazer porcarias que os donos não limpam. O problema não são os cães,são os donos descuidados. No mesmo jardim onde os cães fazem (eventualmente) as suas necessidades, brincam muitas crianças. Não sei se foi esse o motivo da crónica do seu amigo, mas se foi, concordo com ele. E depois,temos que ver os dois lados: se há quem goste de animais, há quem não goste, tenha alergias...e essas pessoas têm o direito de não ser incomodadas.
    Podia contar-lhe aqui vários casos de falta de respeito pelos outros, por parte de quem tem animais (neste caso, cães) e que julga que só ele tem direitos. Onde ficam os direitos de quem não gosta ou não pode estar perto de animais? Portanto, em locais públicos, temos que ter em conta os direitos de todos os que os frequentam.

    Gosto muito de ouvir a Nana Mouskouri:)

    Beijinhos e continuação de boa semana:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, isabel, o jornalista não é meu amigo, apenas li seu texto. Mas a ‘maneira de dizer as coisas’ é que faz a diferença. Logicamente os que fizeram o ‘auê’ foram pessoas que adoram animais, que os protegem. O fato de não gostarem não lhes dá o direito de agressões verbais ou de outra espécie. Tudo deve ser conversado e debatido, mas dentro da civilidade. É o que falta aos humanos.
      Beijinho, boa semana pra você.

      Excluir
  10. Olá Taís,
    assumo o rótulo:sinto-me uma cachorreira também. Meu companheirão abre minhas manhãs me saudando com sua alegria carinhosa e isso me faz inaugurar um sorriso novo a cada dia; nestes tempos bicudos que atravessamos precisamos de incentivos à generosidade e à compreensão.
    Empunharmos nossa sensibilidade ajudará no enfrentamento das fealdades que proliferam em nosso tão castigado país.

    Adorável( como de costume) texto.
    Bjinhus,
    Calu

    ResponderExcluir
  11. Oi Tais!Enquanto nós, não descobrirmos o que implica amar um animal, não teremos conseguido compreender o que é a nobreza e o despertar de emoções que podem curar a alma. Dar amor a um cão, a um gato ou a qualquer ser vivo por menor, mais inquieto e singular que seja, é se enriquecer e descobrir que eles podem ter sentimentos tão valiosos quanto os nossos. Como sempre reflexivo e inspirador. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde Taís!
    Belíssimo texto em que fala sobre os animais e eu concordo plenamente com você,quando possuímos animais,amamos muito,pois retribuem carinhos de diversas formas,e eu digo isso com convicção por ter um cão(já falecido)durante 17 anos que era o meu fiel companheiro e deixou Muitas saudades.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  13. Boa noite, minha Amiga Tais! Realmente ter um animal de estimação é fazer dele um "membro" da família. E eles são dedicados como muitos seres humanos não são capazes… Infelizmente há muitas pessoas que os abandonam quando vão de férias e outras exageram na forma como exigem dos outros o mesmo amor que eles têm pelos animais… Há que ter bom senso. E quem tem animais tem que saber cuidar bem deles e com amor… Eles retribuem...
    Adorei ouvir "Serenade" de Schubert, por Nana Mouskouri.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  14. Tais, MAIS UMA bela crónica escrita com o coração.
    O texto do tal jornalista foi o ponto de partida para uma crónica inteligente, sensível, escrita com o coração (não tenho quaisquer dúvidas), sobre a tua procura de um sentido para a vida.
    Amiga, não percas jamais a esperança num mundo mais pacífico, mais justo, mais humano. “Serenade de Schubert, por Nana Mouskoi (que bela escolha!) te ajudará a encontrar confiança e serenidade. E inspiração… para muitas outras crónicas escritas com o coração.
    (Eu já perdi, mas não esqueci, um amigo verdadeiro. Chamava-se PANDA e tinha 4 patas.)
    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Querida amiga das cronicas inteligentes e que nos levam às reflexões.
    Independente de movimentos tão atuantes hoje sobre as defesas dos animais, há uma evolução na relação dos bichos humanos para com eles, mas ás vezes por alguma intolerância algum dos bichos desafinam e pecam feio por excesso, muitas vezes contra os donos, mas se dirigem aos indefesos animais. Então o centro da coisa é a tolerância e respeito.
    Bela musica no trabalho amiga.
    Carinhoso abraço.
    Beijo de paz amiga e que a semana esteja leve e inspirada para vocês.

    ResponderExcluir
  16. Mais uma vez, cara amiga Tais, nos presenteia uma beleza de crônica, agora dissertando sobre coisas não tão belas, mas que fazer, pois se o quadro é real sem tirar nem acrescentar! Concordo convosco, a esperança não pode morrer, entretanto, em determinados momentos, penso que ainda demorar, muito, muito, para acontecer mudanças comportamentais generalizadas no sentido civilizatório.
    Parabéns pela opção musical. A Nana canta muito. Ela é divina.
    Um abração. Tenhas uma boa noite.

    ResponderExcluir
  17. Me gustan mucho los animales, pero en el caso de los perros, hay que ver que si están sueltos, no sean peligrosos para las personas que pasean por él. Hay perros peligrosos, que han llegado a atacar gravemente a personas que transitaban por un camino que conducía a su casa. Un bozal sería lo más adecuado, en estos casos.

    Besos

    ResponderExcluir
  18. Me encanta Nana Mouscuri. los animales domésticos merecen nuestro respeto y cariño siempre y los dueños de mascotas deben actuar responsablemente. Por ejemplo, lo dejar sus cacas en la vía pública sin recoger. Hay cada uno que mejor no hablar de él (o de ella). Las mascotas no tienen la culpa, sino sus dueños. Aquí en mi parque, hay una zona enrejada para jueguen los perros. También a los largo del parque hay bebederos para animales. Hay juegos para niños y bancos para gente mayor. Hay senderos para caminata o bicicleta y en el río botes a remo y veleros. También hay bicicletas para alquilar. Como ves, toda la población está contemplada.

    Besos

    ResponderExcluir
  19. Não tenho gato nem cão, mas bem tenho um tanque com um cardume peixes.E ontem houve aqui uma tempestade horrível e não sei por qualquer razão um ciprino perdeu a vida.Talvez pareça estranho para outros mas eu gostava muito desse peixe com as suas atraentes manchas coloridas.Deu-lhe uma cova decente.
    bjs

    ResponderExcluir
  20. Olá Taís! Mais uma vez nos ofertas uma bela e verdadeira crônica. Adorei! Não vejo o porquê de não gostar de animais, se também são crias do nosso mesmo criador. Aqui em casa somos cachorreiros também, temos um casal.

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  21. Muito bem explicado, Taís. Difícil mesmo compreender os homens. Os animais não precisam ser compreendidos, é a grande vantagem.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  22. La vida de los animales es menos compleja que la nuestra pero no dejan de ser seres vivos capaces de sentir amor, tristeza, dolor, alegría. El problema radice en nosotros que no les prestamos la comprensión que necesitan.

    Hoy es el día del gato y a mi me ha resultado muy curioso oír a los dueños y dueñas hablar con asombro de las proezas de sus gatitos. Yo también tengo uno que me agradece de un modo extraordinario todas las atenciones que tentgo con él y que le gusta repetir todos los días los mismos rituales. Es curioso pero tiene un lenguaje con una gran variedad de sonidos, eso depende de las ssituaciones y las miradas que me dirige cuando salgo de casa...en fin, creo que vivo con un ser que tiene sus necesidades de afecto muy altas.

    Muy interesante y meticulosamente bien expuesto tema. Creí que estaba de vacacioines ha sido un placer comprobar que sigue con sus inserciones.

    Saludos muy afectuosos y cordiales.

    ResponderExcluir
  23. Que lindo e verdadeiro o seu texto amiga Tais!
    Gostei imenso, devo dizer que sinto exactamente o mesmo!
    Não compreendo como se pode maltratar um animal!
    Beijinhos de Paz e Bem, seja muito feliz!

    ResponderExcluir
  24. Pois o mundo está assim mesmo, virado de cabeça pra baixo. Temos muita violência e desonestidade em todas as áreas. A injustiça social está presente em todas as partes de nosso país. Hoje, à tarde, o Supremo Tribunal Federal aprovou um aumento em seus vencimentos em mais de 16%, o que significa que também serão majorados os vencimentos de todos os Juízes do país, como serão majorados os vencimentos dos Procuradores de Justiça, Assistentes Judiciais, Deputados Federais, do Distrito Federal e dos Deputados dos 26 Estados e muito mais ainda. Então, lendo essa tua belíssima crônica faço um confronto entre o ser humano e os animais irracionais, dentre eles, os cães com sua fidelidade, amizade e amor incondicional. Quanta diferença! Então, como não defender esses seres amáveis de 4 patas?
    Parabéns!
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  25. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Criticar os animais, é coisa para quem não tem
    reserva de amor.
    Claro, só poderia dar no que deu, ou seja,
    UM UIVO COLETIVO, BEM ALTO...
    Parabéns pela "defesa" aos nossos bichinhos,
    Amiga.
    Um caloroso abraço e um ótimo final de semana !
    Sinval.

    ResponderExcluir
  26. Anônimo11:29

    Não sei o que está acontecendo com os homens. Estamos cada vez mais individualistas e não conseguimos aceitar ideias, e modos de viver, diferentes. Queremos sempre se sobrepor no debate independentemente do outro lado apresentar pensamentos e argumentos válidos. No caso dos animais, isso é o que mais acontece.


    Ótima reflexão. "Não gostamos" de quem cuida dos animais e menosprezamos suas ações ao comentar que os protetores dos animais deveriam se preocupar com as crianças de rua.


    OBS: Sou vegana...sofro preconceito por isso, mesmo não impondo minha ideologia para ninguém.


    bjo

    Lili





    ResponderExcluir
  27. Os animais, incluindo os cães, ainda que sejam mal comportados e incomodem os humanos, seja num jardim, numa praia ou em qualquer outro local, nunca têm culpa do que fazem. A responsabilidade é sempre dos seus donos. Não li a crónica do jornalista, mas se ele criticou algum cão, teve uma atitude profundamente errada.
    Também é verdade que há pessoas que dispensam muitos mais cuidados a cães do que às crianças que passam fome. Mas uma coisa nada tem a ver com a outra, porque uma não impede a outra e as pessoas que não têm animais domésticos e que não se dedicam aos mais carenciados estão em larga maioria.
    Uma excelente crónica, parabéns.
    Taís, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amar um animalzinho não impede de amar uma criança, são coisas distintas, o amor não tem limites.
      Beijo, boa semana, Jaime.

      Excluir
  28. Boa tarde, querida Tais,
    ouvindo Nana Mouskouri, cantando um hino de Schubert, já valeu vir aqui em seu espaço.
    Eu convivo com esses animaizinhos queridos, não os tenho dentro de casa, pois se assim fosse, minha filha já tinha transformado nosso lar em abrigo para cães. Como temos um espaço fora da cidade, lá ela se esbalda em levá-los. São criaturas que realmente nos dão amor e nos amam incondicionalmente.Gosto demais e ajudo a protegê-los e como você bem falou, ao se referir ao jornalista, há diversas maneiras de falarmos o que nos atrapalha o modo de viver. Existem muitas críticas em relação ao cuidado exagerado com alguns animais em relação às crianças, mas sempre há um meio termo.
    Gostei de ler sua bela crônica. Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Olá
    Vc tem razão, estamos mudando; em cada época vestimos uma roupagem, temos expressões diferenciadas, mas o humano é o mesmo, cheio de ambiguidades e não é livre como pensa ser. Estamos hoje na cultura da individualismo, da competição, entre outras caracteristicas e vamos sendo moldados, Raros os que usam seus pensamentos para agir. Vi um filme Código de honra que mostra um pouco esta automação, bem como o filme O leitor. Bom final de semana, bjs

    ResponderExcluir
  30. Disse e muito bem, os nossos animais fazem parte da nossa família. Como é tão gratificante chegar a casa e ser recebida com tanta alegria pelo meu pequenito, só o fazer festinhas parece que já alivia o stress do dia.
    Adoro essa música, é divinal, obrigado pela partilha.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  31. Boa tarde querida Taís.
    Amo e confio muito mas na minha cachorrinha Lila do que a maioria da minha família. Chocante frase Mas profundamente verdadeira. Lila não nós trai e só nós da amor. Lindo dias dos Pais para o Pedro e todos os papais da sua família . Beijos

    ResponderExcluir
  32. Oi Taís,
    Amos as suas crônicas, são bem construídas e essa ataca meu o ego de quem acha que os animais não amam.
    Obrigada por vir me ver.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  33. Los perros no deberían estar sueltos hay personas que les tiene miedo. Un amigo tiene un Pastor Alemán un día paseando por el campo al verme de lejos ya lo ato al no conocerme pero luego le soltó ya que sabe que me gustan y el perro me conoce.
    Ayer me encontré con un grupo con un perro que llevaba una pelota en la boca y al hablarle la soltó y estuve jugando con él un rato.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  34. Boa tarde, tenho dois cães que adoptei, ambos estavam abandonados, sem pedir, em alturas diferentes, quando chegava a casa, estavam à minha espera, fazia-me festas e iam embora, até que um dia, os convidei a entrar, tive que pegar ao colo para eles entrarem em casa, aqui estão comigo, vivem felizes e também me dão felicidade pela amizade que revelam, fazem parte da família. adoro animais, principalmente cães.
    feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir
  35. Querida Tais.

    Vai ser ao som da melodiosa voz de Nana Mouskouri e da Serenade de Schubert, que tentarei comentar este seu belo e sentido texto, que muito me disse.

    Sei que nem todos os donos de cães são bons tratadores e amigos, pois que ter um animal que nasceu para correr livre e ser feliz, viver confinado a um apartamento também não é bom para ele. É egoísmo de quem quer a todo o custo ser dono de um cão, por ser moda ter animais de estimação.

    Não sei o que o tal jornalista escreveu contra os cães, provavelmente recriminou os donos, que os levam para os parques e os soltam sem se preocuparem se eles podem assustar crianças ou idosos, não faço ideia...mas se foi isto, concordo com o jornalista.

    Já fui dona de dois cães e nunca comprei nenhum. Foram-me oferecidos por alguém que os não podia manter. A cadelita morreu de velhice e o filhote de doença. Mas foram sempre livres, viveram à solta no quintal com um anexo onde se abrigavam do sol e da chuva. Livremente.

    Neste momento habita o meu quintal um pequenino gato, vindo não sei de onde, talvez tenha sido abandonado. Foi o meu neto que o trouxe da rua. Irrequieto e ladino sobe às árvores, rebola-se na relva e está feliz. Um dia destes apresento-o lá no meu espaço. :)

    Acerca da violência que grassa no mundo e a Tais refere com tanta pertinência, ouvi ontem a notícia sobre o índice de mortes por assassinato no Brasil. Assustadora! A cada hora, morrem, no Rio de Janeiro, vítimas de morte violenta, sete pessoas. Custa a acreditar. Será verdade?

    A voz de Nana já se calou faz tempo, e eu, vou despedir-me pedindo desculpa pela extensão do comentário.

    Um beijo, querida amiga.

    Semana muito feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida Janita, penso um pouco diferente, pois nem todos os seres ‘livres’ são felizes! E animais de 'estimação' não vivem confinados, não. Andam por todo o apartamento, escolhem o lugar para dormirem (rs). Tivemos 3 cães em datas diferentes, em apartamento, muito comum no mundo inteiro. Geralmente eles passeiam 2 vezes por dia e alegres da vida. Têm comida , água, férias na Serra ou praia e muito carinho. Não serão esses seres felizes? Conheço muitos criados em quintal, com liberdade e não são tão bem tratados, cheios de parasitas e vermes.
      Quanto ao jornalista, me referi à maneira de falar, tudo se consegue na base do diálogo, da educação, por detrás de animais de estimação, existem donos sensíveis.
      Os nossos não foram comprados, uma (abandonada), o outro foi atropelado e pegamos ele do meio da rua ensanguentado, e o outro veio através de uma aluna – doado. Nunca vi gratidão tão grande! Dá para perceber.

      Sim, amiga, a violência aqui está de desesperar. Deu há pouco, pelos meios de comunicação, 170 assassinatos / dia - no país!! Roubam teu celular e não satisfeitos, alguns ainda matam a vítima. Invadem as casas etc... Tem de haver um basta. Não dá mais...
      Um beijo, querida, obrigada!

      Excluir
  36. Con razón, apreciada Taias, existe un dicho, al menos acá en Chile, el que señala:
    "mientras mas conozco a los hombres, más quiero a mi perro".
    Muchas veces, esa sentencia se hace eco.

    ResponderExcluir

  37. Querida Tais, eis uma cronica com muita ternura relativamente aos animais,
    gostei da frase,
    "nós é que mudamos, que estamos destruindo valores e vidas. Nós é que precisamos de muito; eles só precisam de amor."
    se mudamos tanto, a civilização que demorou tanto tempo a chegar com o progresso de nos dar conforto no dia a dia, pode perder-se de um dia para o outro…

    espero que isso não aconteça

    também faço votos para que o Brasil reencontre o equilíbrio que os seus habitantes desejam, porque um grande pais é de certeza, com riquíssimos recursos e património!
    beijinhos amiga
    Angela

    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  38. Quanta sensibilidade, amiga Taís! Belíssimo texto em defesa dos animais.

    Tenho andado um pouco arredada porque o verão nos leva. E é bom.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís