10 de março de 2013

COMO CONHECI MARIO QUINTANA



              - por Pedro Luso de Carvalho

Eu era ainda estudante da faculdade de Direito quando tive a grata oportunidade de conhecer pessoalmente Mario Quintana. Isso ocorreu sem qualquer planejamento. Tudo foi quase por acaso.

Naquele dia, em que caminhava pela Rua da Praia, o que menos poderia ocorrer-me seria encontrar-me com Quintana. Para colocar as coisas no seu devido lugar, vamos deixar uma coisa bem clara: eu nunca havia sequer imaginado que um dia poderia ser apresentado ao poeta. Isso estava fora de cogitação.

Não tivesse encontrado a jovem e talentosa jornalista, que trabalhava para o jornal Correio do Povo, de quem me tornara amigo há mais de ano, o convite dela para conhecer o nosso estimado poeta, apanhou-me de surpresa.

– Apresentar-me o Mario Quintana?! – perguntei incrédulo.

Diante dessa pergunta e da inflexão dada por mim, a jornalista não escondeu o riso.

– Vamos até o jornal, ele não vai te morder.
– Então, seja o que Deus quiser.

E lá fomos nós pela Rua da Praia. Na esquina com a Caldas Junior – rua que se tornou famosa por sediar o jornal Correio do Povo e a rádio Guaíba – fizemos uma inflexão para a direita. Estávamos já diante do prédio do jornal.

– Tenho que ir mesmo?
– Vamos subir agora mesmo – disse a jornalista.

A redação do jornal ficava no primeiro andar. Lá Quintana deveria estar escrevendo sua coluna, como fazia durante toda semana. Em frente ao elevador, ela apertou o já gasto botão de madrepérola. O antigo elevador não demorou a chegar.

A porta de gaita do velho elevador abriu-se diante de nós, fazendo um barulho estridente. O educado ascensorista fez um gesto com o braço estendido, a mão sinalizando para entrarmos. Deixou-nos no andar da redação.

– É por aqui – disse a jornalista já no corredor.

Da porta vi uma sala muito grande, com várias mesinhas enfileiradas. Só não consegui enxergar o Quintana. Andamos um pouco mais. Passamos pelos jornalistas que escreviam seus textos nas suas velhas máquinas. As repetidas batidas nas suas teclas arredondadas causavam um som estridente e nervoso.

Mais uns passos e logo nos deparamos com o poeta. Estava sentado frente à sua mesa, soltando baforadas. O cigarro aceso fazia desenhos no ar, na medida em que o poeta gesticulava. Do cigarro, já quase no fim, desprendia-se uma linha fina de fumaça em espiral. Ao lado da máquina, na qual escrevia, um gordo cinzeiro exibia suas guimbas.

 – Hoje vai ser o meu grande dia – pensei.

A jornalista aproximou-se de Quintana com intimidade, quase nas pontas dos pés. Com ela em sua frente, não se demorou a levantar. Fiquei ao lado deles no pouco tempo em que conversaram. Com discrição olhei para o poeta, que me pareceu tratar-se de um homem simples. Era mais baixo do que imaginava. No seu rosto, nenhum traço que pudesse indicar qualquer sentimento.

– Quintana – disse a jornalista – trouxe um amigo para te apresentar...

Solícito, estendi a mão para o poeta. Sua mão mal tocou a minha, nesse cumprimento.

– Muito prazer seu Quintana.
– Prazer!  – respondeu.

Sua voz era quase inaudível. Seu olhar estava fixo na janela de onde se via a rua. Demorou muito pouco para que a mão do poeta tateasse as costas de sua cadeira, onde logo iria sentar-se. O papel ali na máquina era o que lhe interessava.

– Vamos?! – sussurrou a jornalista, puxando-me pela manga do paletó.

Depois de muitos anos decorridos, a contar daquele rápido encontro com Quintana, fiz esta descoberta: no mundo mágico dos poetas, que é feito de sonho e solidão, não há lugar para estranhos e importunos.

'Não vou me enganar mais' – admiti resoluto –, naquele dia em que fomos apresentados, Quintana não disse 'prazer', quando lhe estendi a mão.


Pedro Luso de Carvalho
Visite  Blog Veredas




                                        

22 comentários:

  1. rssss, foi trágico. Certas coisas a gente tem de pagar pra ver! No entanto também ficaria frustrada. E pelo sim, pelo não... não arriscaria, ainda mais com Mario Quintana, o preferido! E se ele nem me olhasse? rsss Credo. Certamente não seria o meu preferido, tamanha a frustração...

    Adorei trazer esta tua 'confissão' aqui pro meu blog.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas valeu o esforço, Taisinha, para conhecer nosso grande poeta.

      Bjs.

      Excluir
  2. Limerique

    Não é coisa que se veja toda semana
    Tampouco evento que a nós engana
    Fato digno, memorável
    Melhor que imaginável
    Encontro com poeta Mário Quintana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Jair, um fato memorável.

      Um abraço.

      Excluir
  3. Sorte sua, mesmo assim: pior fui eu que conheço Maria Quintana só da estátua dele do museu em Porto Alegre...snif.( e até a manicure que fui perto do hotel em que fiquei, até ela conheceu o " velhinho", como ela o chamou)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Josiane,

      Ainda bem que essa homenagem ao MARIO QUINTANA não foi esquecida.

      Abraços.

      Excluir
  4. rssssssss...Valeu muito! Gostei de te ler e saber de mais essa tua.
    E imagino a frustração,rs... beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, essa não foi minha, amiga!!! rsss
      Foi do 'marido', mas tudo em família...
      Beijão, boa semana.

      Excluir
  5. Os GRANDES POETAS vivem num mundo à parte...e Quintana é um deles.
    M. Emília


    ResponderExcluir
  6. Que coisa, Tais! Mas como saber o que estava por vir, como antecipar a reação de poeta tão querido, tão brilhante? Penso que ao mesmo tempo em que eles são simples, são, num certo sentido, imprevisíveis. Afinal, vivem num mundo que não conhecemos plenamente - e talvez seja melhor mesmo que esse mundo não seja desvendados em seus mistérios, para que não perca o encanto.

    Ainda assim, e apesar da frustração, tenho certeza de que valeu a pena o encontro. Pedro Luso foi muito corajoso, e saiu de lá com esta história para contar. Gostei muito de ler! Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Pedro, mesmo que distante a lembrança permaneceu porque o momento fugaz foi mais significativo e memorável do que imaginado.Mario Quintana na sua sabedoria poética nunca deixará de nos encantar. Abraços Eloah

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedro Luso,
    Mas vc tem uma história para contar. E contou belamente. E o prazer de lê-la foi todo meu!

    Abraço para vc e outro para a querida Tais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rovênia. É sempre bom saber quando alguém gosta do que escrevemos.

      Abraços.

      Excluir
  9. Vai ver ele estava burilando alguma frase em pensamento e nem se deu conta ou fingiu (pois "todo poeta é um fingidor" - rssss) ... Mas acho que teria sido melhor ouvir uma de suas frases irônicas, bem malcriada! rssssssssss.
    Mas mesmo assim valeu o encontro!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Estou muito contente com a sua visita a um dos meus blogues.
    Gostei muito de ler o texto deste post. Quintana, grande poeta.
    É normal que ele assim tivesse reagingo.Vivem em outros mundos,
    e deveria estar num desses momentos.
    Mas só o prazer de ter estado perto, já foi inesquecível.
    Beijinho
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  11. Olá Taís,
    é impossível precisar o motivo da indiferença do poeta maior.
    O fato é que ele estava criando, escrevendo. Quando estamos em "estado de criação" perdemos quase totalmente a função verbal e o pensamento voltado à comunicação. Pelo teor da obra o poeta nos parece alguém possuidor de bons sentimentos, incluindo a gentileza. Mas não podemos estar sempre disponíveis. Acho que a jornalista foi inoportuna e o Pedro
    foi sincero em seu desabafo. O certo é que todos nós amamos o Quintana!
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antonio, não tem como saber da indiferença e tudo o que você disse está certíssimo. Não foi um simples ato isolado que manobra nossos sentimentos. Quem sabe ele não estava preparando a matéria para o dia seguinte?

      Porém, Pedro não conta isso como desabafo, e sim como um episódio lembrando do poeta, uma homenagem: uma história meio hilária que ficou na lembrança.

      É o meu poeta preferido, dado às suas verdades e que sempre soube dizê-las com humor.

      Pedro manda um abraço pra você.
      Beijos ao atelier.

      Excluir
  12. Adorei demais ler esse texto! E nossa,como valeu a pena!
    Deve ter sigo mesmo um dia e tanto!
    Voltarei sempre por aqui! Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Camila, bem-vinda ao blog!
      Muito obrigada pela visita, realmente acho foi uma façanha, meio hilário o negócio... rsss.
      Beijão pra você, volte sempre.

      Excluir
  13. Querida amiga

    As palavras
    que semeiam o pensar
    são preciosas.
    Delas nascem sentimentos
    que nos tiram do lugar comum
    e nos fazem sentir
    o perfume
    precioso da vida.

    Olha o céu de manhã.
    Vês como brilha iluminado
    por teus sonhos...

    ResponderExcluir
  14. Não há como esquecer uma experiência como essa. A possibilidade de estar perto de alguém que se admira assusta, mas é ansiada. O encontro foi narrado com tamanha verdade que podemos imaginar a cena. Creio que, ao desenvolver seu trabalho, o grande escritor estava distante da realidade e o que menos lhe poderia interessar, naquele momento, era dar vazão a qualquer diálogo. Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo blog.
    Vamos orar pelo nosso País, o Brasil pecisa das nossas orações.
    O poder da oração
    -Deus é que o Todo poderoso pode fazer qualquer coisa, não há impossíveis para Ele.
    “Pois nada é impossível para Deus".
    Lucas 1:37
    -Deus convida o seu povo a orar a Ele, a oração tem que ser feita de modo persistente e com ação de graças.
    Jesus te ama.

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso