10 de junho de 2012

NEM TUDO DEVE SER DITO


- Tais Luso de Carvalho

Pois é, canso de ouvir a frase: O que tenho de dizer, digo na cara, sou sincero! Mas que criatura mais equivocada: isso não é sinceridade, é grossura - qualidade de grosso! Penso que certas pessoas precisam ser mais esclarecidas, somos como uma pedra bruta, precisamos ser lapidados nas várias formas de comunicação. 

Ora, se alguém me diz que não vai com a minha cara, não sei não... Eu não perguntei o que ela acha de minha cara! E são nessas horas que somos meio impulsivos que vem o imprevisível. Ninguém está preparado para ouvir desaforos gratuitos. E sem saber o porquê dessa delicadeza.

Jamais se deveria chegar para alguém, que fez uma plástica para um concurso de beleza, que gastou horrores, que sofreu muitas dores e dizer que o nariz anterior era melhor, mais harmonioso com seu rosto. Por que dizer isso se a criatura já fez e não tem volta? É com esse nariz que ela vai desfilar. São verdades que não precisam ser ditas na cara, afinal quem é a dona do nariz?

Por que alguém deveria dizer a um membro da Academia Brasileira de Letras que ele está no lugar errado, se todos sabem que ele só sairá de lá morto? Existem coisas ditas que só servem para incomodar. Então, em inúmeras situações, o silêncio é de ouro. Pra que arranjar sarna pra se coçar? Mas com o tempo  a gente vai aprendendo a não furungar no problema dos outros.

Existem coisas, é lógico, que temos de partir para o embate, mas outras não. Pessoas agressivas, intolerantes, arrogantes e autoritárias nunca foram bem aceitas num convívio em que se espera, no mínimo, um tiquinho de harmonia.

Certas atitudes muito sinceras - quando não há necessidade - não passam de burrice. O primeiro passo é se mandar; pra que ficar ouvindo? O segundo passo é riscar a criatura. Mantê-la perto - por quê? Ninguém é obrigado a nada, muito menos a conviver com encrencas. Todos gostam de ser tratados com delicadeza e educação. Penso que essa tal de sinceridade é muito relativa. Serve para certos momentos. Noutros, boca fechada é sinônimo de paz. Ah, como é bom ter paz!

Por certas insistências é que se formam os rolos. Todos sabemos que muitas atitudes arremessadas não passam de coisas plantadas por terceiros ou de suposições vindas não sabemos de onde. O certo seria pegar o telefone e perguntar: escuta, ó fulano, esta sua atitude contra mim está baseada em quê? O que está havendo? Você falou tal coisa mesmo?  Isso sim seria um ato de coragem, de pessoas íntegras que querem clarear o jogo. Jogar limpo.

Vejo, em minhas observações, que esta seria a melhor atitude partindo de quem se sente atacado e ofendido. O certo é cobrar uma explicação ou então se afastar para não carregar uma mochila muito pesada. É a tal coisa: ao deixarmos certas coisas pelo caminho, nossa mochila vai ficando bem mais leve...

Muitas vezes fazemos parte de histórias sem começo, meio e fim. É pura confusão. As peças não se encaixam, ficam tão soltas que se torna impossível de montar o tal quebra-cabeça, de entender o problema. Penso, sim, que a sinceridade deve ser a mola mestra para qualquer convivência, mas não dizendo tudo o que vem à cabeça, aos trambolhões. O certo é ir tateando, até chegar à verdade. Certas horas precisa-se mais de sensibilidade do que sinceridade para chegarmos onde queremos.

Partindo que os relacionamentos, sejam eles quais forem, sempre terão seus altos e baixos;  e sempre sofrerão algumas turbulências, então por que não usar de bom-senso e tentar ver o que aconteceu? Sempre penso que cabe um sacrifício hoje em favor de um bom amanhã. E acreditando nisso também acredito que soluções existem, simplesmente porque ainda existe gente especial. Ninguém  precisa colocar força demais na sua sinceridade.


----//----


20 comentários:

  1. Taís,
    Gostei da reflexão. Quanto mais nos preocuparmos com o outro, seja ele aquele que fala demais, ou seja aquele que "está errado" e precisa de um puxão de orelhas, mais deterioramos nossa qualidade de vida. O melhor é adotar o "laissez passer", "laissez faire" e tudo acaba bem. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  2. Tais,

    Você foi de uma sensatez incrível ao abordar esse assunto, pois muitos há que confundem grosseria com sinceridade. Usando de eufemismo, denominamos essas pessoas de "super sinceras", mas na verdade estamos dizendo que são rudes, desagradáveis. E quem aguenta muito tempo perto de um "super sincero"?! Você foi extremamente sábia ao afirmar que há momentos nos quais precisa-se mais de sensibilidade do que de sinceridade. Pois a especialidade do "super sincero" parece ser justamente falar algo constrangedor, mas que no momento não pode ser alterado (como o caso de uma falha no cabeleireiro, da plástica que não deu certo, dos quilos extra que não podem ser perdidos naquele instante só com a força do pensamento). Penso que, quando nosso comentário não vai edificar, não deve ir além de nossos pensamentos. Afinal, "muito ajuda quem não atrapalha!" e "o silêncio vale ouro!"

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. o silêncio é ouro realmente.

    ResponderExcluir
  4. Oi Taís,
    Pra tudo há um momento.
    Momento de falar e de calar.
    Precisamos discernir se iremos ajudar ou piorar ainda mais.
    Ótimo post!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Muito legal e a sinceridade demais, pode ser encarada como ofensa e dar um baita rooooooooolo,rsrs! beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. "Ninguém precisa colocar força demais na sua sinceridade.".
    Tais, minha querida, quanta verdade expressa numa simples frase.Isto se chama sabedoria.
    A paz é feita de silêncios.Mas vale calar-se do que produzir, com esta falsa sinceridade, dor e decepção as pessoas que fazem parte do nosso circulo de convivência.
    Belo assunto, bela crônica.
    Tenhas uma semana abençoada e feliz.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  7. A boa educação é o princípio de de todo bom relacionamento.Seja dentro da nossa casa, no ambiente de trabalho,etc., não dá mesmo para comparar sinceridade com grosseria.E em muitos casos é melhor ficar de boca fechada,para não magoar ninguém.-Fulano é mal- humorado, não liga não. Quantas vezes temos que engolir isto.Não acho certo. O Fulano que trate de se acalmar antes de sair ofendendo gratuitamente as pessoas que o cercam. Para mim é falta de uma boa educação mesmo e de bom senso.

    ResponderExcluir
  8. Olá Taís, concordo com vc, tenho uma concunhada que adora ser "sincera" é uma das pessoas mais mal educadas que conheço! Bjooooss

    ResponderExcluir
  9. Taís, geralmente, quando venho aqui vejo textos que eu gostaria de ter escrito, desculpe a sinceridade! rsrs, mas concordo com cada palavra que você tão bem escreveu. Ultimamente, tenho visto muita gente achando que falar tudo o que pensa é ser original, eu considero isso uma tremenda falta de bom senso!

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Convido-te a conhecer um Homem de papel
    Convido-te a olhá-lo num espelho de água

    Boa semana

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  11. Perfeita, a sua colocação e ponderação, sobre a "tal" da sinceridade. Ser polido, no tratamento social com o outro, é o mais sensato mesmo. Às vezes, uma palavra dita, indevidamente, destrói uma amizade. Temos que ter "trato" no relacionamento inter-pessoal, para não magoar ninguém.
    Aí, vem a velha frase: não faça com o outro, o que não quer pra você...

    Beijos, Taís,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  12. OI TAIS!
    COMO DISSESTE, TAMBÉM ACHO QUE NÃO É SINCERIDADE, DIZER TUDO QUE A PESSOA PENSA , MUITAS VEZES ATÉ DE FORMA AGRESSIVA, SEM MESMO TER SIDO PERGUNTADA.
    MUITOS SÃO OS QUE SE ESCONDEM ATRÁS DESTE PREDICADO, SINCERIDADE,PARA ESCONDER UMA RAIVA INCONTIDA A QUAL NÃO CONSEGUEM CONTROLAR.
    ADOREI TEU POST!

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  13. Olá Taís,
    Gostei desta abordagem e concordo plenamente, sinceridade demais beira à falta de educação e grosseria...
    Um pouquinho de polidez e bom senso não faz mal a ninguém.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tais, muito oportuna e bem elaborada a abordagem do assunto em sua crônica. Nunca houve tanto dito popular para outra palavra ou expressão senão para a própria palavra falada. Vejamos algumas:

    "quem fala muito dá bom dia à cavalo"

    "quem diz o que quer, ouve o que não quer."

    "o silêncio vale ouro".

    "Os tolos falam, os sábios ouvem"

    "Pense duas vezes antes de emitir uma opinião"

    "Quem sabe muito, escuta; quem sabe pouco, fala. Quem sabe muito, pergunta; quem sabe pouco, opina".

    "Às vezes é melhor ficar quieto e deixar que pensem que você é um idiota, do que abrir a boca e não deixar nenhuma dúvida!"

    Sem contar que muitas dessas pessoas que se dizem francas, são, na verdade é um acumulado de frustrações, angústias e raivas que transferem em forma de "opinião sincera" com o fim único de tentar fazer com que o outro sinta-se tão mal quanto elas se sentem.

    E por último, uma do Jung: "conheça todas as teorias, domina todas as técnicas, mas quando for penetrar na alma humana, seja apenas mais uma alma."

    Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  15. Há momentos que exigem sinceridade, em nome do carinho e da consideração que temos por alguém. Não se pode, por exemplo, atribuir qualidades inexistentes a uma pessoa que está sendo, equivocadamente, idolatrada por um ente querido.
    Mas há inúmeras situações nas quais ficar em silêncio é a melhor opção, principalmente as alusivas à aparência das pessoas. Porque prejudicar sua auto-estima?
    Se não podemos ajudar, com nossas palavras, de forma respeitosa (e quando nosso posicionamento é considerado importante), melhor nos abstermos de dizer alguma coisa.
    Concordo com você, sinceridade nada tem a ver com grossura e indelicadeza.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Olá Taís,
    Como é gostoso voltar a ler seus escritos! como clareia um pouco nossa postura. Gosto de ser bem sincera, mas sei que nem sempre as pessoas estão preparadas para ouvir verdades. Hoje mais comedida penso antes de soltar o verbo.
    Meu abraço carinhoso,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  17. Haja sensibilidade......
    'Ah, como é bom ter paz!'
    Bom Fim de semana
    Beijo

    ResponderExcluir
  18. Oi Thaís,

    É sempre muito bom ler seus textos.
    A verdade é que a verdade pode ser simples para quem diz e matadora para quem ouve.
    Vejo que as pessoas confundem sinceridade com muitas outras coisas: invasão de privacidade, agressão verbal, ponto de vista. Enfim, fazem da sinceridade uma auto propaganda das suas escolhas. E se tornam pessoas desagradáveis e indigestas.
    Parabéns pela escolha do assunto, muito bom!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
  19. Concordo com voce totalmente, as vezes, se trata solo de agressividade con aparencia de sinceridade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Gostei, sábias palavras e tem algumas palavras soltas que fazem um estrago sem conserto,

    Um abraço,

    Luciana

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso