4 de janeiro de 2016

TODAS AS MULHERES / F. CARPINEJAR





( Pág 52 do livro Todas as Mulheres)

Não devo ser contaminado pela indiferença da morte.
Ainda estou preso pelo fio como o Pinóquio
no teto do escritório.

Esse riso desajeitado não simboliza felicidade.
Pode ser nervosismo,
pode ser ansiedade.

Colocava as minhas manhãs em pânico
com alguma missão, arrumava urgências,
e meu riso representava alívio.
Suspirava rindo, não ria.

Fui engraçado,
quisera ter sido feliz.

______________________________________________


Fabrício Carpinejar, nasceu em 1972 em Caxias do Sul (RS). Poeta, cronista, jornalista e professor. Autor de 30 obras na literatura. Também apresenta um Talk-show na TV Gazeta e TV COM. Comentarista do programa Fátima Bernardes, Rede Globo. Comentarista rádio Gaúcha, colunista Jornal Zero Hora e Jornal O Globo. Prêmio Jabuti 2012 e em 2009. Prêmio Érico Veríssimo 2006, pelo conjunto da obra. Prêmio Olavo Bilac 2003 Academia Brasileira de Letras; Cecília Meireles em 2002; quatro vezes Açorianos de literatura ( 2001, 2002, 2010 e 2012), são alguns prêmios do autor.


_______________________________________________

Todas as Mulheres / Fabrício Carpinejar 
Ed. Bertrand Brasil - 2015 1 ed - Rio de Janeiro Poesia brasileira




22 comentários:

  1. Tais Luso, Assim vou conhecendo os grades nomes da cultura brasileira, como aqui e agora Fabricio Carpinejar. Pelo poema pode-se avaliar o vulto de letras que se nos depara. Bem hajas pela divulgação.
    Desejo Feliz 2016!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Daniel, aí em Portugal, a editora 'Quatro Estações' lançou um dos livros de Carpinejar chamado "Ajuda-me a chorar". E a ed. 'Quasi', em Lisboa, editou sua antologia 'Caixa de sapatos' (2005)
      Um ótimo ano pra você, meu amigo!

      Excluir
  2. Boa noite minha querida amiga.. demorei mais voltei...
    ainda me arrastando pela net rsrs
    culpa do excesso de trabalho viu srs
    que bacana isso.. poeta aqui de pertinho ainda por cima..
    espero um dia ter as minhas 40 obras editadas tb...
    logo volto Tais.. agora vou ver se consigo ser mais frequente.. beijos e uma feliz noite doce amiga

    ResponderExcluir
  3. Filosofo muito entre o riso, o sorriso e a gargalhada que, muitas vezes tece o "fio do Pinóquio" entre a vida e a morte...
    Gosto do Carpinejar. Feliz foi sua escolha, Taís!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Tais.
    Desconhecia o escritor. Muitas vezes o riso não significa alegria. Pode ser até para encobrir uma tristeza. Mas ainda acho que quando sorrimos para o mundo ele nos retribui. Uma linda semana para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Beleza de partilha Taís ja tinha lido sobre ele e este texto reflexão em definição mostra a beleza de visão do Carpinejar sobre o riso e o sorriso.
    Grato amiga.
    Carinhoso abraço na bela semana.

    ResponderExcluir
  6. Oi Taís,
    Todos estamos flutuando em seus barcos carregando neles suas alegrias, tristezas, amores, desilusões, amigos, inimigos, paixões e um especial carregando você.kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  7. É a vida...
    Não conhecia, mas prometo saber mais.
    Que 2016 traga mais justiça a este mundo....
    Um Bom Ano
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Acróstico
    A Elas

    Todas as mulheres são únicas, talvez
    O que as faz, dos homens diferentes
    Da vida são donas com graça e altivez
    Assim, pois, dominam nossas mentes.

    Se este mundo fosse delas somente
    Afirmo que seria muito, muito melhor
    Sem nós, as mulheres vão prá frente
    Mesmo sem muito esforço e sem suor.

    Um dia ainda vamos todos reconhecer,
    Louvar e homenagear cada uma delas
    Há que por essas vitais guerreiras ter
    Encanto e trazê-las longe das panelas.

    Rainhas deste universo e do bem viver
    Elas são mães, filhas, esposas e belas
    Se não concorda vá procurar o que fazer.

    ResponderExcluir
  9. Olá Tais,

    Recebi este livro de presente e adorei. Confesso que em algumas
    páginas de poesia (excelente e original) fiquei emocionada com
    a nudez do sentir do Poeta!...
    Preciosa a sua partilha!!
    Feliz 2016 para você, marido (Pedro) e os filhos,
    com a poesia e amor no dia a dia!...
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzete, estou com o livro aqui em cima da minha mesa, você disse muito bem: a nudez a que ele se expõe, emociona! Conheço muito de suas crônicas, de seus livros, tudo muito sensato, maravilhoso.
      Obrigada pelos seus votos, retribuo com carinho.
      Grande beijo!

      Excluir
  10. Olá minha querida amiga Tias, conheço um pouco da obra do Carpinejar, e o vejo por vezes na TV...eu tinha uma certa implicância com ele, existia um certo incomodo, de minha parte, claro. Mas a arte é muito mais que o artista, e a arte dele é grande...tenho medo de ser engraçado e não ser feliz.
    Que possamos continuar a trilhar o caminho do bem este ano que inicia, sempre muito bom estar por aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu amigo Jair, que bom que retornou. Entendo tua implicância, o jeito dele é um, a obra é outra. Mas tirando os noves fora, ouvi inúmeras vezes ele falar de assuntos sérios e o ditado de que as aparências enganam está certo. Seu jeito espalhafatoso e hilário nada têm a ver com o que pensa e escreve. Aliás, é o que diz esse seu poema. Vejo nele uma psicologia nata, especial. Li muita coisa dele, e gosto da sua maneira de ver a vida, sério.
      Grande abraço, um ótimo ano pra você!

      Excluir
  11. Querida Taís: Desculpe a ausência prolongada ´por conta das festas e uns dias de viagem. Mas vou me redimir.
    Confesso que não conheço a obra de Carpinejar, mas certamente esse seu poema despertou-me a vontade de lê-lo.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Léah, o movimento baixa bastante no mês de janeiro, dado às festas e férias escolares. Fabrício Carpinejar é ótimo, tem um DNA conhecido, sua mãe é poeta e seu pai é o Carlos Nejar, poeta, ficcionista, tradutor e crítico literário brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras e da Academia Brasileira de Filosofia.
      Filho de peixes...
      Beijo grande!

      Excluir
  12. Muito bom! "Fui engraçado, quisera ter sido feliz.", o poeta diz. A impossibilidade da felicidade plena, sorrimos em compartimentos, em ocasionais contentamentos, depois entristecemos. Entristecemos por vezes, sem ter motivo. De tanto alivio, serenidade que abusa, enfada, enferruja... E eis o tédio, a falta, a tristeza, a melancolia, a depressão. A falta do que fazer, de novos desafios, preocupações, risco, algo a superar, a conquistar, de superar e novamente nos contentarmos, enchermo-nos de brios, num eterno indo e vindo. Ser humano eterno insatisfeito. Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  13. MUY INTERESANTE POST QUE NOS COMPARTES.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir

  14. Taisinha,
    Carpinejar deve ter herdado o talento para a poesia de seu pai Carlos Nejar, que a muito tempo teve o reconhecimento da crítica como poeta, tanto que se tornou membro da Academia Brasileira de Letras.
    Estou esperando que termines “Todas as Mulheres”, do Carpinejar, para iniciar a leitura dos seu poemas.
    Beijinho, daqui do escritório.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falta bem pouquinho para eu finalizar! Vale a pena ver um misto de emoção, tristeza e verdades convertidas em palavras...
      Beijinho daqui do lado.

      Excluir
  15. Não conhecia o escritor, gostei!
    Obrigado pela partilha
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  16. Um excelente poema de um excelente autor.
    Obrigado pela partilha, querida amiga Tais.
    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  17. Jovem e de imenso talento. Sempre que leio algo que escreveu, admiro-o mais.
    Creio, Tais, que os momentos felizes são logo esquecidos, razão pela qual as pessoas costumam negar esse sentir, mantendo a procura de uma felicidade eterna.
    Estive ausente, razão da demora em vir aqui. Grande beijo!

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso